Protestos pacíficos dão lugar a violência e tiros em Ferguson

Suspeito abriu fogo contra viatura policial e foi gravemente ferido na perseguição a pé que se seguiu

Por O Dia

Estados Unidos - Um homem foi gravemente ferido neste domingo em um tiroteio com a polícia de Ferguson, no Estado norte-americano do Missouri, após um dia de protestos pacíficos para marcar um ano da morte a tiros de um adolescente negro desarmado por um policial branco.

Vários disparos de armas de fogo foram ouvidos enquanto policiais da tropa de choque tentavam dispersar manifestantes que bloqueavam o tráfego e quebravam vitrines. A aglomeração se concentrou na mesma rua dos principais protestos à época da morte de Michael Brown, de 18 anos.

Segundo polícia de Ferguson%2C suspeito abriu fogo contra viatura e foi gravemente feridoReuters

A polícia disse que os disparos começaram com uma troca de tiros entre dois grupos de arruaceiros aparentemente rivais. Quando um homem armado saiu correndo através de um estacionamento, quatro detetives policiais em um carro à paisana interceptaram-no.

O suspeito abriu fogo contra a viatura e foi gravemente ferido na perseguição a pé que se seguiu, ao trocar tiros com os quatro policiais, disse a polícia.

O chefe de polícia do condado de St. Louis, Jon Belmar, disse que um homem não identificado, que se acredita ter em torno de 20 anos, foi hospitalizado em estado crítico porém estável, sendo submetido a cirurgia.

Manifestante encara policiais pouco antes dos disparos em FergusonReuters

Em uma entrevista anterior nesta segunda-feira, Belmar estimou terem sido disparados 40 tiros, no que chamou "uma quantidade impressionante de disparos".

"Eram criminosos, não manifestantes", disse ele a respeito dos homens armados.

As manifestações relacionadas à morte de Brown começaram horas antes do incidente com uma passeata pacífica em Ferguson, nos subúrbios de St. Louis, após um minuto de silêncio em homenagem ao adolescente, cuja morte provocou meses de protestos e deu destaque nacional ao debate sobre racismo e justiça nos EUA.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência