Após perder vaga de vice de Pezão, Peixoto não concorrerá

Proposta do PMDB era que ele saísse na disputa para deputado federal

Por bianca.lobianco

Rio - Após perder a vaga de vice na chapa majoritária de Pezão (PMDB) para o Palácio Guanabara, Felipe Peixoto (PDT) decidiu não se candidatar a nenhum cargo. Abatido, ele disse que não tinha “clima” para concorrer em cargos proporcionais.

A proposta do partido era que ele saísse na disputa para deputado federal. Peixoto não escondeu o descontentamento com a decisão de Lupi de se candidatar ao Senado, mas preferiu usar uma metáfora em vez de fazer críticas diretas: “Em um jogo de futebol, não adianta só ter talentos individuais. O que importa é o coletivo, assim como em uma eleição. A gente estava no arco da aliança e tinha chance de crescer.”

Na coligação de Lindberg Farias (PT), a tensão com o PCdoB foi resolvida. Os comunistas conseguiram a candidatura à primeira suplência no Senado, como desejavam. João Batista Lemos será o suplente de Romário (PSB).

Dornelles é o novo vice na chapa de Pezão

Francisco Dornelles é o novo vice de PezãoReprodução Internet

Uma mudança aos 45 minutos do segundo tempo mudou as feições da candidatura à reeleição de Luiz Fernando Pezão (PMDB) ao governo do Rio. O então candidato a vice Felipe Peixoto, deputado estadual pelo PDT, foi retirado da chapa e substituído pelo senador Francisco Dornelles (PP). Com a decisão, o PDT saiu do governo e entregou os cargos de Woltair Lopes, da secretaria estadual de Proteção e Defesa do Consumidor, e de José Bonifácio Novellino, secretário de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca.

A troca fortalece a corrente do ‘Aezão’ (Aécio para presidente e Pezão para governador) criada pelo presidente do PMDB fluminense, Jorge Picciani. O PDT faz campanha para Dilma Rousseff, enquanto Dornelles apoia Aécio. O senador é primo do candidato tucano.

A mudança também afasta ainda mais os peemedebistas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo Picciani, ele teria incentivado a candidatura avulsa do presidente do PDT, Carlos Lupi, ao Senado. O brizolista não concordava com a indicação do vereador Cesar Maia (DEM) para o Senado na coligação de Pezão. Por isso, lançou-se ao cargo, desagradando a Picciani.

Ontem, Pezão encontrou brevemente Lupi para tentar dissuadí-lo da candidatura, mas não teve sucesso. O ex-ministro do Trabalho acusou Picciani de tentar interferir na autonomia do PDT. “Não posso aceitar que o presidente de outra agremiação, me conhecendo há 30 anos, venha me dizer como eu devo me comportar. Achei isso de uma profunda descortesia”, criticou.

Apesar da decisão de sair em uma candidatura avulsa, Lupi afirmou que não se sente isolado. “Tenho o apoio de Lula, Dilma e Eduardo Paes”, afirmou.

A deputada estadual Cidinha Campos (PDT), ex-secretária estadual de Proteção e Defesa do Consumidor, também não poupou críticas a Picciani. “É lamentável que nós, que sempre defendemos o Sérgio Cabral, tenhamos sido preteridos pelo pessoal que sempre foi crítico a ele. Partidos como o PSDB, PPS, entraram e sentaram na janelinha”, afirmou.

Procurado, Picciani não quis se manifestar. Em nota, o PMDB informou que “Dornelles dedica-se à defesa dos interesses do Estado do Rio de Janeiro há mais de três décadas, tendo sido o grande alicerce parlamentar na luta pela manutenção dos royalties no Rio”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia