Quaquá dá um tempo na proposta de rompimento do PT-RJ com Paes

Segundo o presidente do partido, é importante acompanhar os passos do prefeito e as disputas dentro do PMDB.

Por O Dia

Rio - Presidente do PT-RJ, Washington Quaquá deu um tempo na proposta de rompimento do partido com Eduardo Paes. Segundo ele, é importante acompanhar os passos do prefeito e as disputas dentro do PMDB.

“Muita gente fala na criação de um novo partido. Será que o Paes vai ficar no PMDB? Se ele sair, abrirá um campo de entendimento com a esquerda”, diz. Para Quaquá, o prefeito é diferente de outras lideranças peemedebistas. “Ele não é Sérgio Cabral, não é (Jorge) Picciani, não é Eduardo Cunha”, argumenta.

Sem Pezão

Apesar da trégua em relação a Paes, Quaquá insiste que o PT não deve participar do governo Pezão: “Seria falta de vergonha na cara.”

Ministro Chico

O deputado federal eleito Chico D’Ângelo é, entre os petistas do Rio, o favorito de Quaquá para ocupar um cargo no novo governo Dilma Rousseff.

Ainda Cabral

Pezão assumiu o governo há sete meses, mas ontem deputados receberam e-mail em que, em nome do “governador Sérgio Cabral”, eles são convidados para participar da inauguração de uma UPA.

O escolhido

O vereador Jairinho deverá ser convidado para substituir Luiz Antonio Guaraná — eleito para o Tribunal de Contas do Município — na liderança do governo na Câmara Municipal. Se ele topar, garante a reeleição de Jorge Felippe para a presidência da Casa.

Deu galo na Paratodos

Parece até gozação com os rubro-negros, mas é verdade. Ontem, na primeira extração do jogo do bicho, às 11h20, deu galo na cabeça: 9.851 (a dezena 51 é é uma das quatro do grupo 13, aquele que representa a ave adotada como símbolo pela torcida do Atlético Mineiro).

Últimas de Rio De Janeiro