Tubulação da Cedae rompe em Nova Iguaçu e enxurrada invade casas

Comércio na região também foi obrigado a fechar. Concessionária informou que vai investigar causa de acidente

Por O Dia

Tubulação rompida inundou ruas de Nova IguaçuLeitor André Luis Figueira

Rio - Uma tubulação de água da Cedae se rompeu, inundou ruas e invadiu casas, ontem à tarde, na antiga Estrada Rio-São Paulo, no bairro de Parque São Francisco (Km-32), em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense. Apesar da força da água, que destruiu móveis e até um carro, ninguém ficou ferido. Após cerca de uma hora de inundação, um grupo de 50 moradores fechou parte da via e ateou fogo em pneus. A Polícia Militar interveio.

“Estamos fazendo um levantamento no local para saber quantas pessoas foram afetadas”, disse o secretário de Defesa Civil de Nova Iguaçu, Luís Antunes. Já de acordo com a Cedae, técnicos da empresa trabalham no reparo da tubulação. Ainda segundo a nota, não há mais vazamento e funcionários de Segurança Patrimonial da companhia fazem o levantamento de possíveis danos e ressarcimentos às vítimas.

A Companhia Estadual de Águas e Esgotos não soube informar a causa do rompimento da tubulação. Na Antiga Rio-São Paulo, a água invadiu uma autoescola e lojas. Parte do comércio teve que ser fechado.

“Perdi tudo, roupas, comida, geladeira. Nem meus três periquitos deu para resgatar, pois a água estava acima da cintura. Só deu para salvar meus seis filhos. Foram momentos de agonia”, lamentou a dona de casa Luzia de Jesus Santos, de 47 anos, moradora da Rua Tulipas.

Na mesma rua, a costureira Maria José Batista, 47, só salvou a televisão. Além dos móveis, ela garante ter perdido também três máquinas industriais de costura.

Água invadiu casas e causou prejuízos aos moradoresLeitora Larissa Souza

A água invadiu algumas residências com tanta força que derrubou a geladeira da moradora Angélica Nascimento, 28. Mesmo sem ter perdido móveis durante o estouro da tubulação, a estudante universitária Larissa Souza, 22, entrou em desespero ao ver a água tomar as casas de amigos. “Ela entrava com muita força. Em questão de minutos inundou tudo”, lembrou.

Últimas de Rio De Janeiro