Petrópolis terá metodologia japonesa para mapear riscos de enchentes

A partir das características do solo e das construções da região, técnica calcula a quantidade de terra que pode se deslocar por causa das chuvas e o alcance desse deslizamento

Por O Dia

Rio - Petrópolis, na Região Serrana, terá uma metodologia japonesa de mapeamento de risco em comunidades. Nos próximos meses, a Defesa Civil do município vai procurar identificar as adequações necessárias para que a metodologia possa ser implantada no município. 

A implantação da metodologia japonesa de mapeamento de risco no município faz parte da parceria de quatro anos entre o governo brasileiro e a Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) para a redução de desastres das chuvas em Petrópolis, Nova Friburgo e Blumenau (SC). A parceria teve início no fim de 2013 e tem três eixos: mapeamento de risco, alertas antecipados e planejamento urbano. Ao fim da parceria, a Jica irá produzir manuais para esses três municípios sobre esses três eixos.

A metodologia japonesa que começará a ser testada em Petrópolis consiste em uma fórmula matemática que, a partir das características do solo e das construções da região, calcula a quantidade de terra que pode se deslocar por causa das chuvas e o alcance desse deslizamento. “A metodologia japonesa segue normas, padrões, equações matemáticas, segue uma normatização, mas que deve ser adequada para Petrópolis. Temos um solo diferente, um padrão construtivo diferente”, disse o diretor técnico da Secretaria de Proteção e Defesa Civil, engenheiro Ricardo Branco.

Últimas de _legado_O Dia no Estado