Seis milicianos são presos por exploração do transporte alternativo na Z. Oeste

Motoristas tinham que pagar até R$ 1 mil por semana. Grupo também atuava na Zona Norte, onde explorava segurança clandestina

Por O Dia

Rio - Seis homens que exploravam transporte alternativo na Zona Oeste do Rio e comandavam uma milícia na Zona Norte foram presos nesta terça-feira na operação Ourives da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e de Inquéritos Especiais (DRACO/IE), da Polícia Civil. A polícia começou a investigar o grupo em fevereiro de 2016 após uma informação da Coordenadoria Especial de Transporte Complementar da Prefeitura do Rio de Janeiro.

Armas e cofre com R%24 142 mil de milicianos apreendidos pela polícia Divulgação/ DRACO

O grupo é liderado por Marco Antonio Figueiredo Martins, conhecido como Marquinho Catiri ou Marquinho do Ouro, representante da Cooperativa JB, hoje chamada Kairos. Segundo a denúncia, ele e seus comparsas ameaçavam os motoristas de vans das linhas que circulam pela Zona Oeste e se negavam a pagar a planilha da cooperativa. Sem ter a quem recorrer, os motoristas das linhas exploradas pela cooperativa eram obrigados a pagar, semanalmente, entre R$ 850,00 e R$ 1 mil, segundo a polícia.

Na Zona Oeste, a quadrilha atuava principalmente em Bangu. Já na Zona Norte, a atuação se dava em Del Castilho e Engenho de Dentro — nas comunidades Águia de Ouro, do Guarda, Fernão Cardim, Belém-Belém e algumas comunidades vizinhas — onde os milicianos se aproveitavavam da insegurança da população para impor segurança clandestina aos comerciantes e empresas.

Na ação, quatro armas foram apreendidas, entre elas uma espingarda calibre 12 e uma pistola, além de um cofre com R$ 142 mil, encontrado na cooperativa de transporte.

”É importante que as pessoas denunciem. Este trabalho de investigação começou com uma denúncia anônima, por exemplo. Trata-se de um grupo criminoso com várias fontes de dinheiro ilícito. Explorava motoristas de transporte alternativo na Zona Oeste e comandava uma milícia na Zona Norte.”, afirmou o delegado titular da Draco, Alexandre Herdy, que comandou a operação.

Últimas de Rio De Janeiro