Renascença relembra movimento cultural de resistência negra dos anos 70

Clube da Tijuca revive noite de black music

Por O Dia

Rio - Após 40 anos, o Renascença Clube, localizado no bairro do Andaraí, recebe novamente a Noite do Shaft, que leva ao público música black, o seminário ‘Black Rio, por Onde Andas?’ e a exposição ‘1976 – Movimento Black Rio 40 Anos’. O evento começa às 16h, no próximo sábado, e a entrada é gratuita.

“A geração dos anos 70, hoje na faixa dos 60 anos de idade, tem o privilégio de ter uma garotada que curte o soul de fato. Vai ser uma festa linda e a exposição e o seminário vem quebrar barreiras e dar visibilidade a um movimento que foi importante na luta racial”, convida Asfilófio de Oliveira (Filó), Vice-presidente Social do Renascença Clube, produtor cultural, um dos criadores dos bailes black e da primeira banda Black Rio.

Samba do Trabalhador Divulgação

O local escolhido foi palco da primeira edição da festa, em 1970, onde o movimento de resistência negra começou a ganhar mais força e as pessoas se reuniam para curtir o som do soul, longe do preconceito e da violência policial.

“Naquela época, negros eram reprimidos pelos órgãos de segurança as pessoas chegavam a sumir. Eu fui preso e não sumi porque era uma espécie de liderança. Não fui torturado fisicamente, mas a tortura foi psicológica”, relembra Filó.

Atualmente, o clube, tombado como patrimônio cultural carioca, recebe diversos eventos relacionados ao samba e se tornou um celeiro de novos e antigos talentos desta vertente musical.

Últimas de Diversão