Vai ganhar de quanto? Espanha encara o Taiti no Maracanã

Mesmo com reservas, Fúria deve golear. A expectativa é saber por qual placar

Por O Dia

Rio - Na última vez que pisou no Maracanã, a Espanha se despediu do Rio com uma goleada de 6 a 1 imposta pelo Brasil, na Copa do Mundo de 1950. Passados 63 anos, a Fúria promete apagar essa má lembrança no templo do futebol contra o fraco Taiti, nesta quinta-feira, às 16h. Para muitos, esse jogo pode render um verdadeiro massacre.

Espanha promete não tirar o pé e aliviar o lado do TaitiEfe

Maior artilheiro da Espanha com 53 gols, David Villa é um dos 11 "toureiros" escalados pelo técnico Vicente del Bosque. Ao decidir poupar a maioria dos titulares que encantou os espectadores na vitória sobre o Uruguai, o comandante vê a chance de manter todo o grupo motivado e em condições de buscar o inédito título.

Muda a escalação, mas não o estilo. Com reservas de luxo, a Fúria entrará em campo com humildade, mas sem medo de uma possível "chifrada" do Taiti.

"Na Espanha, todos se sentem titulares. Não existe essa distinção pelo alto nível do grupo. Nosso pensamento é vencer o Taiti, não sabemos de quanto. Acho que a maior prova de respeito é mostrando que o levamos a sério. Queremos vencer e fazer o maior número de gols possível. Nada muda”, garante Iniesta.

Com um banco de reservas de respeito, Vicente del Bosque crê que a torcida brasileira, em sua maioria, poderá soltar os gritos de “olé” típicos nas arenas de touro da Espanha. Com respeito ao povo brasileiro, a Fúria promete exibir um futebol à altura do Maracanã. A expectativa do público é de uma goleada histórica e Del Bosque garante que seu time não terá piedade.

“Jamais pedirei isso a meus jogadores (diminuírem o ritmo). A meta é vencer . Quanto maior a diferença de gols, melhor”, disse o treinador.

Sincero, Raul Albiol admite que o Taiti é o mais frágil entre os participantes da Copa das Confederações, condição que só aumenta a responsabilidade da Espanha para vencer e convencer.

“Somos os favoritos e temos a responsabilidade de vencer. Não devemos perder a humildade e manter o ritmo, pois eles estarão motivados e não têm nada a perder”, afirmou Albiol.

Últimas de _legado_Copa das Confederações