Fernando Molica: O assassino e seus cúmplices silenciosos

Não é difícil imaginar o que teria acontecido se os homicídios tivessem ocorrido na Zona Sul

Por O Dia

Rio - Quase tão chocante quanto os assassinatos de 43 pessoas cometidos por uma mesma pessoa é o silêncio em torno dessas mortes. Por nove anos, Saílson José das Graças, de 26 anos, o criminoso confesso, contou com a indiferença da polícia, do Ministério Público e da imprensa. Não me lembro de, em todo esse tempo, ter lido ou visto nada a respeito de homicídios em série ocorridos em Nova Iguaçu ou sobre o ‘Monstro de Corumbá’ (bairro em que ele morava).

Segundo os jornais, o autor dos homicídios só foi preso graças a uma investigação conduzida por vizinhos de uma das mortas. Pelo que disse o assassino, havia um padrão na sequência de crimes. Não seria difícil, portanto, descobrir uma ligação entre tantos episódios: quase todas as vítimas eram mulheres brancas; os assassinatos ocorreram na Baixada; para matar, o homicida não usava armas de fogo, mas facas ou apenas as mãos. Mesmo com todas as evidências e pistas, nada foi feito. Uma jovem de 21 anos que sobreviveu a um ataque de Saílson disse que sequer foi atendida quando foi à delegacia prestar queixa.

Não é difícil imaginar o que teria ocorrido se os homicídios tivessem ocorrido na Zona Sul carioca, ou mesmo em bairros como Tijuca ou Méier. É mais do que razoável supor a indignação do ministro da Justiça, do governador, das autoridades da área de segurança, dos promotores, das entidades que estudam a criminalidade, dos jornais, das revistas, das TVs e das rádios — este artigo teria sido escrito assim que fosse caracterizada a existência de um assassino em série.

A mobilização da sociedade e de suas instituições pouparia muitas vítimas, o homicida seria preso bem antes de chegar ao 43º cadáver. Crimes bem menos graves ocorridos em áreas mais ricas da cidade têm muito mais repercussão. Não basta processar e condenar Saílson. É fundamental que todos, autoridades ou não, paremos de hierarquizar vidas, considerar normal que pessoas que moram em áreas pobres sejam mortas, e que esses crimes não sejam investigados.

Isso só vai mudar quando passarmos a achar que vivemos em Corumbá, que somos vizinhos daquelas vítimas. Quando nos indignarmos com a falta de segurança mas também com as ruas sem calçamento, com a falta de transporte decente, com a ausência de saneamento básico, com as escolas precárias, com o racismo, com a crônica deficiência dos postos de saúde e hospitais. Com a nossa omissão, todos, de alguma forma, somos responsáveis por aquelas mortes, cúmplices no abandono, no descaso e no silêncio.

E-mail: fernando.molica@odia.com.br

Últimas de _legado_Opinião