Pezão diz que houve erro da polícia na morte do menino Eduardo no Alemão

Para governador, ação foi ‘lamentável’. Ele reconheceu que houve falta de treinamentos dos policiais

Por O Dia

Rio - O governador Luiz Fernando Pezão admitiu na tarde desta segunda-feira que houve erro da Polícia Militar nas ações que resultaram na morte do menino Eduardo de Jesus, de dez anos, e da moradora Elizabeth Alves de Souza, ambos na primeira semana deste mês, no Complexo do Alemão. O governador reconheceu que houve falta de treinamentos dos policiais.

Governador criticou ação dos policiaisBruno de Lima / Agência O Dia

"É lamentável (a atuação dos PMs). No primeiro momento, me solidarizei com a família. Foi um erro que ninguém admite. Sei que as condições no Alemão são muito difíceis, mas é lamentável ver um garoto de dez anos perder sua vida ali, assim como a Dona Elisabeth. Falei com o pai do garoto já na quinta-feira santa e vou colocar todo o Estado à disposição para dar apoio a estas famílias. Foi uma atuação errada. Quem investigou, quem viu, quem fez todo o trabalho foi a polícia. É lamentável, muito triste e mostra que a gente tem cada vez mais que treinar melhor, capacitar melhor nossos policiais" disse Pezão.

O governador, no entanto, defendeu o trabalho da Polícia Militar e, particularmente, das Unidades de Polícia Pacificadora.

O triste retorno ao Piauí da família do menino Eduardo, morto no Alemão

Pai de menino morto no Alemão diz que PM chamou filho de vagabundo

"Estamos entrando em áreas que não entrávamos havia 40 anos. A Maré é uma cidade de 140 mil pessoas e não tinha delegacia. Estamos construindo uma. São lugares que a gente está libertando. Hoje a Delegacia de Homicídios pode ir ao Alemão fazer reconstituição porque há policiais lá dentro. Antigamente se matava, se julgava, ia para o microndondas sem ninguém saber, sem a família, muito menos a gente”, disse o governador.

Últimas de Rio De Janeiro