Editorial: Condução da Justiça sem extremismos

Não está em curso, em absoluto, um golpe de Estado ou tirania afins

Por O Dia

Rio - A condução coercitiva de Lula acirrou animosidades e deu voz a todo tipo de bizarria. Desfilaram nas redes sociais acusações de golpismo e vivas a um revanchismo. Recrudesce o embate político às vésperas de novo protesto da oposição.

Aos que bradam haver perseguição e aludem a um suposto macarthismo conduzido pelo juiz federal Sergio Moro, é forçoso dizer que não está em curso, em absoluto, um golpe de Estado ou tiranias afins. Muitos brasileiros viveram dias muito mais tenebrosos do que o de ontem e sabem reconhecer a estabilidade das instituições.

Do lado dos que se sentem vingados, há que se reforçar justamente os ritos democráticos e cuidar para que a luta contra a corrupção não se torne uma cruzada despótica e sobretudo cega. Exageros acabam por desqualificar o esforço por justiça.

Esta página traz dois artigos que comentam os fatos de ontem. O DIA se posiciona pela busca legal da verdade. Desvios e excessos se confundem com mentiras.

Últimas de Opinião