Sonia Abrão conta detalhes sobre a sua preservada vida pessoal

Apresentadora do programa 'A Tarde éSua", da RedeTV!, fala sobre a possibilidade de mudar de emissora

Por O Dia

Sonia AbrãoDivulgação

Sônia Abrão é o tipo da pessoa que dispensa apresentação. Tão certo quanto o ‘Jornal Nacional’, exibido pela Globo e que marca as noites na TV brasileira, está o ‘A Tarde é Sua’, programa de Sônia na RedeTV!, que carrega consigo uma audiência fidelíssima. Sônia alcança uma excelente média de 3 pontos no Ibope e isso faz dela uma das grandes estrelas do canal. Ela passa as tardes esmiuçando a vida íntima dos famosos. Isso não lhe parece familiar, caro leitor? Pois bem. Agora é a nossa vez que tentar mostrar um pouco da intimidade desta mulher incrível e muito discreta quando o assunto é sua vida pessoal. Com vocês: Sônia Maria Abrão.

Falar para a dona de casa é um talento raro. Você não dá receita de culinária, você não dá dica de como ganhar dinheiro fácil, mas é um grande sucesso. Qual é o seu segredo?
Não tem segredo. Realmente eu não gosto de falar de culinária... Aquelas coisas típicas de programa feminino nunca foram a minha praia, tanto que quando eu estreei como apresentadora mesmo foi aqui na RedeTV!, em um programa feminino chamado ‘A Casa é Sua’ onde eu não me encaixava. Pedi para sair. Expliquei que eu queria fazer uma coisa mais abrangente do que fritar um ovo. Não sou ligada em moda e não tenho habilidade manual para fazer artesanato...

Com o que que você não se identificava com o programa?
Com nada dessas coisas de cozinha. Falei que queria uma coisa mais abrangente porque sou jornalista. Vamos colocar notícias, falando de artistas... Eu já tive coluna. E a gente acabou conseguindo uma nova fórmula para os programas da tarde.

Você faz pesquisa com os seus telespectadores para saber o que eles querem assistir?
Eu acho que o grande empurrão que eu tenho — e que não vale como uma pesquisa, mas que não pode deixar de ser uma referência—, é o papo de rua. O pessoal sempre é muito simpático e troca opiniões. E existem as pesquisas de Ibope, que sempre nos dão um norte.

O que a sua telespectadora mais gosta?
Acho que é justamente da opinião.

Da sua opinião?
Gosta da minha opinião e de dar a dela. Esse espaço é muito importante, porque é daí que vem a troca. Eu acho que no Brasil, as pessoas cada vez mais não têm opiniões formadas sobre nada. Mas você às vezes paga um preço por isso.

Por exemplo: Susana Vieira teve problemas com você. Faz parte do ofício?
Tudo isso é um exercício de se situar na sua profissão. Esse lance de ter opinião não foi uma coisa que eu programei. Isso é da minha natureza. Quando acontece um fato, a gente dá todas as informações e por cima dessas informações eu dou a minha opinião. E não acho que ela seja uma verdade absoluta. Sobre pagar um preço... a gente paga mesmo, mas eu não faço média com nenhum artista.

Você acha que os artistas brasileiros estão preparados para as críticas?
Acho que não.

Eles levam para o pessoal né?
É! Vivi muito isso quando eu tinha uma coluna diária. E você sabe como é porque você tem uma coluna diária. É uma coisa danada! Recebia muito retorno naquela época, de telefonemas das pessoas te detonando. Acho que ainda hoje as pessoas colocam o ego acima de tudo.

A televisão hoje está tomada por programas de fofoca. Queria que você me dissesse quais você gosta.
Eu assisto muito pouco porque eu estou na batalha também. O meu preferido é o ‘TV Fama’. Já sei que vão falar que é por causa da RedeTV!, mas é o meu preferido.

Me disseram que a Record tentou te levar para lá a todo custo. Por que você não foi, Sônia?
Ué... Eu trabalhei lá, Leo.

Não recentemente!
Eu trabalhei lá! Fomos para o SBT, depois fomos para a Record e da Record nós voltamos para a RedeTV! e já estamos aqui há dez anos.

Você recebeu proposta de alguma emissora recentemente?
Não, porque eu sempre deixei muito claro que nós estamos muito bem aqui na RedeTV!. Você não estaria numa casa há dez anos se não fosse legal. A gente não tem necessidade de mudar, assim como eu acho também que as outras emissoras não estão precisando da gente no momento.

Qual é o grande problema da TV brasileira hoje e qual é grande mérito da TV brasileira hoje?
O grande problema é que eu acho que o mesmo formato está se repetindo à exaustão. Isso acontece nos programas de fofoca e também nesses de ajuda. Eu acho legal essa fórmula, só que de repente está tudo igual. <MC3>Está todo mundo acomodado.

Qual é o melhor da TV?
É o jornalismo, com certeza. E isso vai desde o telejornal diário mesmo aos programas como ‘Conexão Repórter’. A gente não deve em nada aos jornais norte - americanos ou europeus. Nosso conteúdo é bom.

Você aceita as críticas?
Aceito. Talvez eu aceite bem as críticas porque sou psicanalizada há 20 anos. Isso é fundamental. Eu sei o alcance do que eu posso fazer ou não. Eu sou geminiana. Não sou a mesma Sônia da semana passada, retrasada de 20 anos atrás.

Qual é a melhor parte e a pior parte de ser uma jornalista famosa?
A melhor parte é poder fazer o trabalho que eu amo fazer. É ter seguido a carreira que eu sempre quis. Mas eu não gostava de televisão. Já fazia participações em alguns programas de TV, mas tudo em função da minha coluna. Sempre fui um bicho de redação. Me incomoda ainda hoje, apesar de eu trabalhar em um veículo, a história de todos se acharem artistas no pior sentido da palavra! No sentido de se sentirem deuses. Eu não me acho famosa. Me acho conhecida.

Qual é a melhor e a pior parte de trabalhar na RedeTV!?
A RedeTV! me conquista sempre por causa desse clima familiar. O pior é ficar dez anos numa emissora, construir amizades e ver as pessoas indo para um outro veículo.

Você está rica?
Nunca! Dependo do meu trabalho.

O Brasil tem alguns ícones que são tipo intocáveis sabe, eu diria talvez Silvio Santos. Concorda que são pessoas do tipo que não pode se mexer?

Ah não, claro que não! Eu concordo que sejam ícones, mas se tiver alguma coisa que não esteja funcionando legal você vai lá e fala... Todos nós temos altos e baixos. Pra mim não tem essa.

Você é fã de alguém?
Eu sou! Tinha o sonho de entrevistar o John Lennon, mas não aconteceu. Eu sou muito fã de tanta gente... Gosto e Roberto Carlos! Em novelas, me impressionou muito as cenas do Antonio Fagundes com o Domingos Montagner em ‘Velho Chico’. Era um duelo de talentos.

Você casou uma vez, teve um filho... E depois? Como é sua vida pessoal?
Eu não sou muito de falar da minha vida pessoal... Não me sinto artista. E como eu não sou artista, eu não tenho por que me expor. O pessoal acompanhou a minha gravidez, o nascimento do meu filho, tudo isso foi acontecendo de uma maneira muito legal... Mas sou discreta quanto à minha vida.

Você tem alguém?
Não estou fechada para nada. Eu só não quero um casamento novamente. Essa fórmula do casamento tradicional eu acho legal a gente experimentar uma vez na vida. Fiquei casada por 17 anos. Foi uma experiência muito boa, eu tinha um bom casamento, mas também tive uma boa separação. Eu e o meu ex-marido somos amigos para sempre. Eu não quero mais esse compromisso de uma instituição. Quero um romance, que é a parte boa da história.

O fato de não querer abrir a sua vida, é justamente para não ter que pagar o preço da fama?
Não é não. É o meu jeito de ser porque eu gosto de privacidade. Hoje em dia eu não tenho encontro sério, não tenho um relacionamento sério. Eu sempre estou aberta para namoro, para flertes... Mas também não estou preocupada com isso, porque eu já vivi tantas coisas tão lindas... Eu deixo por conta do destino. Acredito muito nas estrelas. Se acontecer, ótimo! Se algum dia eu tiver vontade de casar de novo, eu caso. Mas no momento não é o que me interessa. Meu tesão pela vida, me basta.

Sônia Abrão, deixe um recado final para quem te adora e te assiste?

Tirei três semanas de férias e recebi milhões de mensagens. As pessoas dizendo que estavam sentindo falta, sentindo saudade do que eu tinha para dizer... Isso foi muito legal. Eu quero é agradecer sempre, e muito, às pessoas que me acompanham porque é muito tempo no ar em um programa diário. Se as pessoas continuam assistindo é porque elas gostam de mim de alguma forma. Eu só posso dizer muito, muito obrigada!