Ministro confirma PSDB fora do governo, mas não descarta aliança para eleições

Eliseu Padilha disse que PMDB pretende ter um 'projeto único' para 2018 e avalia presença de tucanos na chapa

Por O Dia

São Paulo - Depois de afirmar que o governo não conta mais com o PSDB em sua base de sustentação, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que caberá ao presidente Michel Temer fazer as alterações nas pastas comandas pelos tucanos.

Eliseu Padilha confirmou saída do PSDB do governo, mas não descartou aliança para as eleiçõesElza Fiúza / ABr

O ministro, entretanto, evitou responder se o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), que na semana passada chegou a ser anunciado para o cargo do tucano Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), ainda vai assumir a articulação do governo. "O PSDB não está mais na base de sustentação do governo federal. O PSDB já disse que vai sair. Nós vamos fazer de tudo para manter a nossa base de governo e um projeto único de poder para 2018", disse Padilha.

O ministro afirmou que mesmo que a sigla abra a mão dos cargos na Esplanada, o presidente poderá manter quadros da legenda como nomes de sua escolha. "Uma coisa é um ministro que está no governo representando um partido. Outra coisa é o presidente manter alguém como representante de sua cota pessoal", disse.

Padilha fez questão de reforçar que "nomear ou demitir ministro" é uma questão que cabe exclusivamente ao presidente da República "O presidente saberá momento em que fará alteração no seu ministério independentemente da posição do PSDB", afirmou.

Aliança

Eliseu Padilha disse que a única condição para o PMDB apoiar um candidato à Presidência da República é que o partido defenda o legado do atual presidente. "Não estamos excluindo ninguém, mas estamos colocando uma condição", disse. "Se o candidato do PSDB disser que defende o legado do presidente, há a possibilidade de uma aliança", acrescentou.

Últimas de Brasil