Marcos Palmeira participa de feira gastronômica que começa nesta quarta

Ator é um dos expositores que marcará presença na primeira edição da Sirha

Por O Dia

Marcos Palmeira%2C 52%2C é adepto da alimentação orgânica há 20 anosDivulgação

Rio - ‘Um novo mundo é sempre possível’. É esse o pensamento que move o ator, empresário e produtor Marcos Palmeira. Ele é dono do Armazém Vale das Palmeiras, loja localizada no Leblon, Zona Sul do Rio, em que vende os produtos orgânicos produzidos em sua fazenda, que fica em Teresópolis, região Serrana do estado. Marcos é um dos expositores que marcará presença na primeira edição da Sirha, uma das maiores feiras do mundo que reúne profissionais de gastronomia e hotelaria, com o intuito de pensar nas formas de melhorar os serviços de alimentação (veja detalhes no caderno Negócios e Carreiras).

O evento que começa hoje e vai até sexta-feira no Centro de Convenções SulAmérica, na Cidade Nova, vai contar também com a primeira seletiva do concurso gastronômico Bocuse D’Or. “Para mim, é uma honra participar de um projeto como esse. Eu vejo nessa feira a chance de aproximar o cidadão comum dos produtores de itens orgânicos. Hoje, não há preconceito com esse tipo de alimentação. O que eu vejo é uma grande falta de informação por parte do grande público”, avalia o ator.

Ele ainda aconselha. “Na minha opinião, uma das maneiras de resolver isso, seria colocar alimentos orgânicos nas escolas, por exemplo. Nas merendas das crianças, nos lanches servidos pelas instituições e até nos produtos vendidos nas cantinas. Não estamos falando de light ou diet, mas sim de uma comida saudável, livre de qualquer adubo químico ou agrotóxico. Uma coisa que me assusta muito são as cestas básicas distribuídas para a população carente. Eu digo que aquilo é uma verdadeira cesta de doenças. Só tem produto enlatado, biscoito e alimentos com farinha branca. Se você alimenta bem a sua população, consequentemente, consegue economizar na saúde. Afinal, quem come bem, tem menos chance de ficar doente.”

Mas engana-se quem pensa que o ator é radical. Adepto da alimentação orgânica há 20 anos, o galã de 52 jura que come de tudo. “Comida vem para agregar. Se eu vou almoçar na casa de alguém, eu como o que me oferecem. Também não fico proibindo a minha filha (Julia, de 8 anos) de comer as coisas. Mas as crianças se espelham em seus pais. E ela vê os meus hábitos, os hábitos da mãe (a diretora Amora Mautner) e segue isso naturalmente. E se der vontade de comer besteira, OK. Sendo que até a besteira pode ser orgânica. Hoje em dia, aquela batata frita pode ser feita em um óleo de soja orgânico, o sorvete que as pessoas gostam de tomar depois do almoço pode ser mais saudável e até aquela cachacinha pode ser menos agressiva.”

Claude Troisgros, presidente do Sirha Rio, acredita que a feira vai levar a cultura e a culinária brasileira para o mundo. “Vamos destacar a gastronomia e valorizar o trabalho que vem sendo feito no país, mostrando ingredientes, cultura, etc”, explica ele. Conhecido pelo seu bom humor, o chef dá a dica para quem quer se aventurar na cozinha. “Não dá para criar sem conhecer bem as receitas básicas, fazer um molho branco ou de tomate, por exemplo. E é muito importante não ter medo de errar. Na cozinha, o erro faz parte do aprendizado”, explica.

Últimas de Diversão