Amor e morte surpreendem em novo seriado de cinco capítulos

Série ‘Amorteamo’, que estreia em maio na Globo, mistura elementos melodramáticos e fantásticos

Por O Dia

Rio - A morte e o amor caminham confiantes, tranquilos e sem pressa pelas ruas da antiga Recife, em algum momento no início do século XX. De braços dados, eles espalharão encanto e sofrimento em doses iguais sobre as vidas dos personagens que compõem ‘Amorteamo’, série em cinco capítulos escrita por Cláudio Paiva, Guel Arraes e Newton Moreno que estreia no dia 8 de maio na Globo. Vítimas dos efeitos dessa união, todos eles vão conhecer a paixão seguida pela dor. E mais.

A relação entre paixão e finitude vai ser explorada em dois triângulos amorosos, ambos condenados. O primeiro é formado pelo marido Aragão, pela mulher Arlinda e pelo amante Chico — interpretados respectivamente por Jackson Antunes, Letícia Sabatella e Daniel de Oliveira. Na trama, esse é o primeiro momento em que a morte e o amor, unidos, provocarão uma circunstância sombria: Aragão flagra a mulher e o amante na cama. Enfurecido, atira nas costas de Chico, que morre no exato momento em que acaba de chegar ao êxtase dentro de Arlinda. Gabriel — Johnny Massaro — fruto dessa união proibida, nasce naquele momento. Ou seja, será um personagem que carregará a morte desde o instante em que foi concebido.

Série ‘Amorteamo’ mistura elementos melodramáticos e fantásticosDivulgação

“É uma maldição que trará consequências terríveis para ele e para qualquer mulher por quem ele se apaixonar”, avalia Johnny. Gabriel é um dos vértices do segundo triângulo da série, completado por Malvina e Lena, vividas por Marina Ruy Barbosa e Arianne Botelho.

Gabriel e Lena se amam desde pequenos, mas ele se vê forçado a casar com Malvina. No entanto, na porta da igreja, ele a abandona. A dor é grande demais e ela decide se jogar de uma ponte, de onde despenca em direção à morte. É a partir deste ponto que a trama ganha contornos de realismo fantástico.

“Ela ama tanto o Gabriel que, de alguma forma não natural, consegue voltar dos mortos para ficar com ele. Transforma-se numa espécie de noiva cadáver", explica Marina Ruy Barbosa sobre seu primeiro trabalho desde o fim de ‘Império’ — na verdade ela teve que conciliar as três últimas semanas de gravação da novela com o início do trabalho em 'Amorteamo'. “Queria muito participar dessa série. Sei que é o tipo de produção que não aparece com facilidade. Além disso, é algo muito diferente de tudo o que eu já fiz”, explicou a atriz que, para se preparar para o papel, assistiu filmes de temática obscura como ‘A Órfã’ e ‘O Cavaleiro Sem Cabeça’.

O tom lúgubre é garantido pela ambientação soturna das imagens. Para reproduzir com exatidão o período no qual a história se passa, a iluminação foi concebida de maneira a lembrar as luzes emitidas por lamparinas a óleo — ou seja, há sombras em todos os cantos. Um cemitério, com terra de verdade, foi construído dentro de um estúdio de 1 mil metros quadrados dentro de um estúdio na Barra da Tijuca. “Além disso, os cenários têm muita influência do Expressionismo Alemão, como objetos de cena pontiagudos e fora de proporção, para dar uma sensação de vertigem”, explica a diretora Flávia Lacerda.

Letícia Sabatella descreve a variedade emocional que os atores experimentaram.
“Os personagens vivenciam emoções extremas: vão do amor profundo ao ódio extremo. Eles vivem em um mundo sombrio.” Tão sombrio quanto o próprio amor pode ser.

Últimas de Televisão