Desemprego vai a 7,6% e bate recorde para o mês nos últimos sete anos

Dado é apurado com informações baseadas nas seis principais regiões metropolitanas brasileiras; dezembro registrou 6,9%

Por O Dia

São Paulo -  O desemprego subiu nas seis principais regiões metropolitanas do país, saltando para 7,6% em janeiro, ante a 6,95 em dezembro. É a maior taxa para o mês de janeiro desde 2009, quando o indicador alcançou 8,2%. Em relação ao mesmo período de 2015, a alta foi de 2,3 pontos percentuais. Os dados são da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) do IBGE e foram divulgados nesta quinta-feira. 

A PME é realizada nas regiões metropolitanas de Recife, Belo Horizonte, São Paulo, Salvador, Rio de Janeiro e Porto Alegre. No Rio, o desemprego ficou em 5,1% em janeiro, a menor taxa frente às outras regiões pesquisadas. O resultado deve-se aos investimentos nos Jogos Olímpicos, que turbinaram o setor da construção. Grandes obras foram feitas em regiões, como do Parque Olímpico de Deodoro, hotéis, BRT, entre outras áreas. 

O mercado de trabalho fechou 336 mil vagas de emprego formal no setor privadoCamila Domingues/Palácio Piratini/Divulgação

Mas a perspectiva é de que o desemprego aumente expressivamente no Rio com o fim do evento. Além disso, apesar de ter sido a menor taxa entre as regiões metropolitanas, o desemprego no município subiu na comparação com janeiro de 2015, quando ficou em 3,6%.

Salvador foi a região com a maior taxa de desocupação, alcançando 11,8%. Recife registrou 10,5%, São Paulo 8,1%, Belo Horizonte 6,9% e Porto Alegre 5,9%. A pesquisa aponta também uma alta do desemprego entre os jovens. A taxa de desocupação da população de 18 e 24 anos saltou para 18,9% em janeiro frente a 16,5% em dezembro. No mês de janeiro de 2015, o desemprego ficou em 12,9%.

Os dados mostram ainda queda na renda de brasileiros. De acordo com a PME, o rendimento médio real dos trabalhadores em janeiro foi de R$ 2.242,90, enquanto no mesmo mês de 2015, era de R$ 2.421,51. E na comparação com dezembro (R$2.273,44), caiu 1,3%.

O número de carteiras assinadas nas regiões metropolitanas foi estimado em 11,6 milhões em janeiro. São 336 mil pessoas a menos em um ano, uma queda de 2,8%. Em relação a dezembro, o número ficou estável, segundo o IBGE.

Além disso, a quantidade de desempregados nas seis regiões metropolitanas analisadas pelo IBGE subiu para 1,9 milhão. Na comparação com dezembro, o aumento foi de 8,4%, o que representa mais 156 mil pessoas. E em relação a janeiro de 2015, a alta foi de 42,7%, ou seja, mais 562 mil pessoas. O número de pessoas com emprego em janeiro foi de 23 milhões, enquanto em dezembro foi de 230 mil.

Últimas de Economia