Gatito esquece críticas do passado e celebra convocação para a seleção paraguaia

Goleiro vem ganhando cada vez mais espaço na equipe do Botafogo

Por O Dia

Rio - O Estudiantes está na mira de Gatito Fernández. Efetivado como titular, o goleiro esbanja confiança em uma vitória do Botafogo no jogo que abre o Grupo 1 da Libertadores. Feliz, esquece as críticas do passado e celebra a convocação para a seleção do Paraguai, que vive a expectativa de parar Neymar & Cia nas Eliminatórias para a Copa da Rússia.

Gatito Fernández foi convocado pela seleção do ParaguaiVitor Silva / SS Press / Botafogo

O DIA: Você foi efetivado como titular do Botafogo às vésperas da estreia na Libertadores. Aumenta a responsabilidade?

GATITO: A responsabilidade de disputar uma Libertadores por um clube da tradição e do tamanho do Botafogo já é imensa. Mas, sem dúvida, por ser às vésperas da competição, torna-se ainda maior. Eu sou um cara experiente e me preparei para saber lidar com este momento. Estou mais do que pronto.

O DIA: Você chegou a ser contestado por parte da torcida. Como encarou as críticas?

GATITO: Fazem parte do futebol. O importante é saber tirar o aprendizado dos momentos ruins para que não se repitam.

O DIA: Os pênaltis defendidos contra o Olimpia vão 'calar os críticos'?

GATITO: Sem crítica, não há evolução. Todos nós precisamos de críticas para seguirmos evoluindo. Elas me deram mais confiança e motivação.

O DIA: Após quatro 'finais' na fase pré-Libertadores, como vê o duelo desta terça-feira com o Estudiantes?

GATITO: A estreia é um jogo especial. Já viemos de dois confrontos decisivos, tensos e isso pode contar a nosso favor, pois estamos ambientados à competição. Mas o foco precisa estar lá em cima. Todos sabemos do nervosismo que uma estreia causa e não podemos deixar isso nos atrapalhar.

O DIA: O que você conhece do time do Estudiantes?

GATITO: É um time cascudo em competições internacionais. Venceu uma Libertadores há pouco tempo (2009), tem jogadores experientes, um técnico que já viveu muito esse ambiente tenso de Libertadores e ainda contará com Verón. Precisaremos ter atenção.

O DIA: O fato de estrear em casa, com o apoio da torcida, facilita as coisas?

GATITO: Não diria que facilita, mas é um trunfo a nosso favor. Estamos em um momento muito legal de relação com nossa torcida, que tem feito a diferença nos jogos em casa. Precisamos saber jogar com eles e eles conosco. Sem dúvida, nos ajudará demais.

O DIA: O Botafogo ainda terá Atlético Nacional e Barcelona de Guayaquil pela frente no Grupo 1. Qual o segredo para ir à segunda fase?

GATITO: Fazer nosso dever de casa e nos impormos fora. Vamos viver jogo a jogo, sem acomodação. Temos time e confiança para chegar lá.

O DIA: Você foi chamado pelo técnico Arce para defender o Paraguai nas Eliminatórias. Se vê em condições de ser titular?

GATITO: Estou dando o meu melhor e seguirei fazendo o impossível para ajudar meu clube e minha seleção. Mas isso fica a critério do treinador, que conhece bem o grupo e saberá tomar a melhor decisão.

O DIA: O Paraguai tem condições de voltar a jogar uma Copa em 2018?

GATITO: É o nosso objetivo. Acreditamos e vamos em busca disso com todas as nossas forças.

O DIA: Vencer o Equador, dia 23, em Assunção, é fundamental, certo?

GATITO: Sim, mais do que isso.

O DIA: Cinco dias depois o duelo será com o Brasil, em São Paulo...

GATITO: Será um jogo difícil. O Brasil está em ascensão, mas precisamos jogar o nosso jogo para obter um bom resultado.

O DIA: Como parar o ataque da seleção brasileira?

GATITO: Não posso contar os segredos aqui (risos).