Flamengo aposta no peso do Maracanã

Em confronto direto por vaga na Libertadores, Rubro-Negro conta com a nação contra o Internacional

Por O Dia


Rio - O Flamengo aposta na sua força histórica no Maracanã para pavimentar o caminho rumo à Libertadores. Contra o Internacional, neste domingo, às 16h, o time comandado por Oswaldo de Oliveira faz o antepenúltimo jogo no estádio, neste Campeonato Brasileiro. Se ganhar todos, precisará buscar apenas mais duas vitórias nos outros cinco duelos para atingir a meta que a comissão técnica imagina garantir vaga no G-4.

Flamengo tem duelo importante neste domingoGilvan de Souza / Flamengo / Divulgação

Neste Brasileiro, no entanto, o aproveitamento do Rubro-Negro no Maracanã deixa a desejar: 54,7%. Foram 14 jogos: sete vitórias, dois empates e cinco derrotas. Na comparação com 2014, ano em que o Flamengo chegou a ser lanterna do campeonato, fica claro que o desempenho é insatisfatório.

LEIA MAIS: Notícias, contratações e bastidores: confira o dia a dia do Flamengo

Na última edição da competição, também em 14 partidas no estádio, foram nove vitórias, um empate e quatro derrotas. O time obteve 66,6 % dos pontos disputados. Para retomar o estádio como arma, o Flamengo tem a munição da volta de Guerrero. Foi contra o Internacional, no primeiro turno, que o peruano estreou com gol, no Beira-Rio, e caiu nas graças da galera.

Além dele, Jorge, que cumpriu suspensão na derrota (3 a 0) para o Figueirense, também retorna à equipe. Com isso, Everton reassume a vaga na frente, enquanto Paulinho fica como opção no banco de reservas. A derrota sofrida na última rodada foi um duro golpe. Oswaldo, porém, acredita que contra equipes que lutam na parte de cima da tabela o jogo ganha outra dinâmica:

“Algumas equipes que lutam para não ser rebaixadas quando jogam fora, e um exemplo disso é o Joinville aqui contra a gente, procuram ser um pouco mais conservadoras. Hoje se fala muito em jogar por uma bola, essas equipes jogam assim. Quem tem sonhos maiores procura jogar no campo adversário, marcar no campo rival. É o caso do Flamengo.”