Ibovespa cai 0,27% pressionado pelo setor bancário

Investidores continuam à espera da pesquisa Datafolha. Dólar tem a maior alta em um mês, cotado a R$ 2,22

Por O Dia

Dados fracos da economia brasileira somados à expectativa pela divulgação da pesquisa eleitoral com as intenções de voto nos candidatos a presidente da República elaborada pelo Datafolha levou o Ibovespa a recuar 0,27%, para os 53.028 pontos. O giro financeiro foi de R$ 5,9 bilhões.

À frente dos ganhos, Usiminas PN avançou 4,65%Antonio Milena

A indústria do Brasil apresentou a terceira contração consecutiva, em maio, ao cair 0,6%. Nos primeiros cinco meses do ano, a queda acumulada do setor é de 1,6%. “O mercado espera ainda a divulgação da pesquisa do Datafolha”, apontou a equipe de análise da Souza Barros. A expectativa predominante é que a presidenta Dilma Rousseff ao menos mantenha a estabilidade no levantamento, uma vez que a Copa do Mundo ocorre com tranquilidade.

O setor financeiro e a Petrobras pressionaram o índice. Banco do Brasil ON caiu 1,68%, Itaú PN retraiu 1,62% e Bradesco PN teve queda de 0,31%. Petrobras PN, por sua vez, recuou 0,41%.

Na outra ponta, em meio à recuperação da indústria da China e avanço no preço da tonelada no minério de ferro, que atingiu US$ 94,70 no mercado chinês, os papéis das siderúrgicas e da Vale foram impulsionados. À frente dos ganhos, Usiminas PN avançou 4,65%. CSN ON e Gerdau PN também foram destaques de alta ao avançar 3,43% e 2,81%, respectivamente. Vale PN subiu 2,03%.

Estados Unidos

Após bater recordes na terça-feira, as bolsas americanas terminaram em direções opostas. O Dow Jones avançou 0,12%, o S&P teve alta de 0,07% e o Nasdaq terminou com ligeira queda de 0,02%.

Na agenda, o destaque ficou para a criação de 281 mil vagas de trabalho no setor privado em junho, número que surpreendeu os analistas, que esperavam 213 mil novos postos. O indicador é visto como uma prévia do relatório geral de emprego, o Payroll, que será divulgado na quinta-feira.

Em discurso no Fundo Monetário Internacional, a presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Janet Yellen, afirmou que a política monetária atual estaria sendo utilizada para seus dois principais objetivos: estabilidade da inflação e pleno emprego. Yellen defendeu que não há necessidade de mudar a política monetária atual para lidar com as preocupações de estabilidade financeira.

Na avaliação da Guide Investimentos, prevaleceu um tom mais conservador em sua fala. “Os juros devem continuar baixos por um tempo prolongado", apontou o relatório da corretora assinado pelo analista Luiz Gustavo Pereira.

Câmbio

No mercado cambial, o dólar disparou 0,88% em relação ao real – a maior alta em um mês - cotado a R$ 2,224 na venda. Além do dado forte de emprego nos Estados Unidos, auxiliou na alta da moeda americana a perspectiva por uma rolagem menor, por parte do Banco Central,nas operações de swap que vencem em primeiro de agosto.

Últimas de _legado_Notícia