PMDB vai apoiar as medidas de ajuste fiscal, diz Kátia Abreu

Enviadas ao Congresso Nacional, medidas provisórias modificam o acesso a benefícios trabalhistas como seguro-desemprego e abono salarial

Por O Dia

Brasília - O PMDB vai apoiar as medidas de ajustes fiscal propostas pelo governo. Essas foi a conclusão do encontro entre dirigentes do partidos e integrantes do governo, em jantar realizado na noite desta segunda-feira, no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente Michel Temer.

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, fez uma apresentação das duas medidas provisórias, enviadas ao Congresso Nacional, que modificam o acesso a benefícios trabalhistas como seguro-desemprego e abono salarial.

Leia mais:

Aposentadoria vai mudar

Ministro da Fazenda diz que déficit foi uma ‘escorregadazinha’

Dólar ultrapassa R$ 2,90

A informação sobre o apoio do PMDB e sobre a apresentação do ministro Levy sobre as medidas do governo foi dada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu. Segundo ela, o ministro Levy – ao justificar a necessidade de adoção das medidas - fez uma explicação “bastante contundente, bastante clara da situação” econômica do país.

De acordo com Kátia Abreu, Levy pediu a aprovação das medidas e deixou uma sensação de “otimismo muito grande” para os próximos anos.

“Foi uma reunião maravilhosa. Mais uma vez o PMDB vai apoiar as medidas do governo. O PMDB vai apoiar as duas MPs”, declarou Kátia Abreu na saída do encontro. Além de Levy, estiveram presentes os ministros do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa, e o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.

De acordo com a ministra, durante o encontro os participantes não entraram em detalhes sobre se o apoio se dará diretamente ao texto original das medidas enviadas ou se haverá modificação nas propostas. Segundo ela, o apoio de qualquer forma se dará na forma que o ajuste fiscal exige. “O partido assumiu o compromisso de apoiar as medidas”, disse.

Participaram da reunião todos os ministros do partido no governo Dilma Rousseff, além dos presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Eduardo Cunha.

Conforme disse Kátia Abreu, Cunha foi um dos “mais contundentes [participantes a] apoiar as medidas do governo”. Lideranças do partido - como o ex-presidente José Sarney - também participaram do jantar, além do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante (único integrante do PT).

Últimas de _legado_Economia