Liesa vai processar Laíla por denúncia de suposta fraude em apuração

Segundo Jorge Castanheira, diretor da Beija-Flor não 'pode manchar a nossa imagem com essa história absurda'

Por O Dia

Rio - A denúncia do diretor da Beija-Flor, Laíla, que pôs em xeque a lisura do julgamento do desfile do Carnaval de 2016, pode lhe render mais um processo judicial. A Liesa estuda entrar com uma queixa-crime contra Laíla.

A decisão é uma reação da Liga à Laíla que, em 12 de fevereiro, denunciou um possível esquema de manipulação de notas do desfile, registrado em troca de mensagens entre um jurado e a esposa do diretor de bateria da Imperatriz Leopoldinense. A denúncia foi publicada pelo DIA e provocou a demissão do jurado de bateria, Fabiano Rocha que, nas mensagens do Whats App, afirmou que tiraria pontos da Tijuca, Salgueiro e Beija-Flor.

O presidente da Liesa, Jorge Castanheira, vai convocar a assembleia geral e o conselho deliberativo da entidade para decidir sobre o processo judicial.

Após denunciar suposta fraude em apuração dos desfiles deste ano%2C Laíla será punido pela LiesaJoão Laet / Agência O Dia

“Laíla não pode dizer o que disse e ficar por isso mesmo, ele é sócio-fundador da Liesa, não pode manchar a nossa imagem com essa história absurda. Se tinha alguma suspeita deveria discutir o assunto internamente. Estamos analisando a possibilidade de processá-lo”, afirma Castanheira.

Além da ação na Justiça, a Liesa analisa punir internamente Laíla. O diretor da Beija-Flor está sujeito a advertência, suspensão ou exclusão da Liga. Procurado, Laíla não quis falar sobre o assunto.

MAIS PROCESSOS

Laíla também enfrentará mais dois processos: um do presidente da Unidos da Tijuca, Fernando Horta, e outro da própria agremiação. O dirigente tijucano alega que ele e a escola tiveram a honra atacada porque Laíla sugeriu que a agremiação estaria ligada à fraude.

“O presidente Horta foi atacado, assim como a escola. Já propusemos uma transação penal. Se Laíla aceitar, poderá doar R$ 10 mil ou prestar serviço para alguma uma instituição de caridade”, diz o advogado da Tijuca.

Jorge Castanheira, Laíla, Fabiano Rocha e Roberta Santiago — mulher do diretor de bateria da Imperatriz e que trocou as mensagens com o jurado — depuseram na Delegacia Fazendária nos últimos dias.

Reportagem de Marlos Bittencourt

Últimas de Rio De Janeiro