Tapete de Corpus Christi será menor e itinerário vai mudar

Por causa das obras no Centro, prefeitura do Rio pediu mudanças à Igreja

Por O Dia

Rio - Destaque da programação do feriado de Corpus Christi, o tapete para a passagem da tradicional procissão desta vez será menor que em anos anteriores. O tapete, que costumava se estender do altar da Catedral Metropolitana de São Sebastião até a Avenida Chile, terá de se limitar à área de entrada do templo, sem afetar o trânsito. O pedido foi feito pela prefeitura por causa das obras no Centro da cidade, que também influenciam o percurso da procissão. Por conta das obras do VLT, o trecho da Rio Branco entre a Nilo Peçanha e a Presidente Vargas estará interditado.

O cortejo então partirá da Igreja da Candelária, seguindo pela Praça Pio X, Rua Primeiro de Março, Rua da Assembléia, Avenida Rio Branco, Avenida Nilo Peçanha, Rua México, Avenida Almirante Barroso e Avenida República do Chile, chegando até a Catedral.

Tapete de Corpus Christi será menor e itinerário vai mudarFoto%3A Fabio Gonçalves / Agência O Dia

A montagem dos tapetes começa cedo na quinta-feira, às 5h, e vai até 12h, e deve envolver, principalmente, fieis, jovens e até turistas estrangeiros, como tem ocorrido nos últimos anos. Hoje, a Catedral recebe, em média, 700 visitantes por dia, segundo monsenhor Joel Portella Amado, responsável pela cerimônia de Corpus Christi.

A celebração começa às 10h, quando o cardeal Orani João Tempesta celebrará missa no Santuário da Adoração Perpétua ao Santíssimo Sacramento, na Igreja de Sant’Ana. Depois, Dom Orani reaparece às 15h para presidir o Ofício de Vésperas, na Igreja da Candelária, de onde o Santíssimo Sacramento parte até seu destino, a Catedral. De acordo com Monsenhor Joel, a procissão conta, em média, com 80 mil pessoas por ano.

Mantendo a tradição, a Arquidiocese pede aos fiéis que levem pelo menos um quilo de alimento não-perecível à Catedral – a coleta será feita a partir das 8h. Também haverá veículos ao longo da procissão recolhendo as doações.

Reportagem do estagiário Caio Sartori

Últimas de Rio De Janeiro