Bandido invadiu sala de escola da Zona Norte e disse à professora: 'Vai morrer'

Criminosos promoveram um arrastão no Colégio Estadual João Kopke, em Piedade, na noite desta segunda-feira

Por O Dia

Rio - Até alunos acostumados a faltar aula apareceram no Colégio Estadual João Kopke, em Piedade, Zona Norte da cidade, na noite desta segunda-feira. Todos os estudantes estavam com a mesma preocupação: as provas, de espanhol, português e inglês. No entanto, por volta das 21h, a apreensão dos alunos passou a ser com outra coisa. "Está querendo reagir ao assalto? Vai morrer!", ouviu uma professora do 2º ano do Ensino Médio, identificada apenas como Fátima, de um homem armado que entrou em sua sala.

Acompanhado de outros três comparsas, o criminoso promoveu um verdadeiro arrastão na escola.  Uma irmã de M. M., de 17 anos, aluna do 2º ano do Ensino Médio, disse como tudo ocorreu. "Eles entraram e anunciaram o assalto. Ela estava na sala de aula fazendo uma prova e um dos bandidos disse que era pra um aluno recolher o celular de todo mundo e que não era pra ninguém fazer 'gracinha' porque senão ele ia atirar, já que a arma não era de brinquedo", contou.

Cartaz pede aos alunos e moradores da região que tenham perigo ao andar pelas ruas de PiedadeMarlos Bittencourt / Agência O Dia

Segundo ela, somente na sala de sua irmã, os criminosos roubaram todos dos telefones dos cerca de 30 alunos, além de bolsas e carteiras com dinheiro. Ainda de acordo com a irmã da aluna, a mãe delas não quer mais que a jovem vá à escola. "Ela deve fazer a transferência ainda hoje", prometeu.

De acordo com Alessandra Soares, 36 anos, mãe do aluno do 1º ano do Ensino Médio, P.J., de 17 anos, os assaltos na região são contantes. Ela foi à escola nesta manhã cobrar uma explicação da direção da unidade e soube que uma reunião de pais foi marcada para a noite desta terça-feira para discutir a questão da violência na região. "Dependendo do que for falado, também devo tirar meu filho desse colégio", adiantou.

Violência é constante

Alessandra disse ao DIA que, há aproximadamente duas semanas, o colégio foi palco de um tiroteio. "Um homem, que não era aluno, durante uma fuga entrou na escola e foi perseguido por bandidos armados, que queriam matá-lo. Eles realizaram disparos no meio do pátio do colégio", denunciou.

Cunhado de uma aluna da instituição, o motoboy J. V. O. falou que os assaltos na escola e na região são constantes. "Bandidos ficam de moto armados na porta do colégio à espera de uma vítima para assaltar. Tem estudante que já foi roubado de duas a três vezes numa mesma semana e pelo mesmo bandido. Moradores da rua e alunos começaram a andar com dois telefones no bolso, um velho para entregar ao ladrão e o novo, que utilizam", falou.

LEIA MAIS:

Bandidos invadem colégio, roubam e agridem professora na Zona Norte

Bandidos invadem escola para assaltar alunos, funcionários e professores

Ainda de acordo com os representantes dos alunos, a escola não possui zelador, guarda municipal e seu portão "vive aberto". Nas proximidades da escola, situada na Rua Souza Cerqueira, O DIA flagrou cartazes colados nos muros e postes que alertam sobre o perigo de andar naquela região.

A Secretaria de Estado de Educação disse que encaminhará ainda hoje à Polícia Militar uma solicitação de reforço do policiamento no local e afirmou que também irá requerer à Polícia Civil uma investigação sobre o episódio. A escola é compartilhada com o município. Em nota, a Secretaria Municipal de Educação disse que nesta manhã o funcionamento foi normal no local.

A reportagem também procurou a direção da escola municipal. Na unidade, encontrou apenas a diretora adjunta, identificada como Dona Vânia. Ela disse que a 3ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) a proibiu de comentar o caso.

Em nota, a PM afirmou que os agentes fizeram buscas na região e intensificaram o patrulhamento. Ainda segundo a corporação, o comando do batalhão irá se reunir com todas as escolas da região na tarde desta terça-feira na sede da 3ª CRE.

Além de celulares, carteiras, bandidos também roubaram dois carros de funcionários. O caso foi registrado na 24ª DP (Piedade), que instaurou um procedimento para apurar o assalto. Procurado pela reportagem, o delegado responsável disse para buscarmos mais informações sobre as investigações com a Assessoria de Imprensa. Segundo ele, a ocorrência está sendo encaminhada para a Cidade da Polícia, no Jacarezinho. Em nota, a assessoria da Polícia Civil disse que os agentes estão realizando diligências para descobrir as circunstâncias do crime e identificar seus autores.

Não é a primeira vez

Esta é a segunda vez somente neste ano que uma escola pública da Zona Norte do Rio foi invadida por criminosos. Em março, cerca de três bandidos armados entraram no Colégio Estadual República de Cabo Verde, em Irajá, e roubaram os celulares de alunos que estavam no refeitório da unidade, situada na Rua Hanibal Pôrto, 451.

Na época, a Secretaria de Estado de Educação informou que os criminosos conseguiram entrar na escola, alegando ao porteiro que iriam buscar um documento.

?Número de assaltos a pedestres dobra na região em relação a 2015

A região próxima à Escola João Kopke, na Piedade, se tornou área de extremo perigo, segundo quem mora na área. A qualquer hora, bandidos aterrorizam moradores, além dos alunos e funcionários do colégio, que têm medo de sair da instituição principalmente no turno da noite.

Roubos e assaltos se tornaram tão corriqueiros que moradores espalharam cartazes de alerta nas ruas de toda a região: “Cuidado morador, aqui você pode ser assaltado. Zona de perigo”, diz um deles na esquina das ruas Xisto Bahia com Souza Cerqueira, a 50 metros da escola.

A situação é tão crítica que moradores da área estão com medo de sair de casa até para ir ao supermercado. Uma moradora da Rua Gonçalo Coelho, que pediu para não ser identificada, contou que “um homem de moto” tem aterrorizado o bairro. “Ele chega e rouba até as sacolas com as nossas compras. Deve estar passando fome”, ironizou.

No assalto de segunda-feira, à noite, a Polícia Militar foi chamada. Quando chegou, os bandidos já tinham fugido. Em nota, a PM afirmou que os agentes fizeram buscas na região e intensificaram o patrulhamento. Ainda segundo a corporação, o comando do batalhão vai marcar uma reunião com todas as escolas da área. Dez pessoas, entre alunos e a própria diretora da escola, prestaram queixa do assalto à escola na 24ª Delegacia de Polícia (Piedade).

De acordo com números do Instituto de Segurança Pública (ISP), foram registrados na área da 24ª DP em abril deste ano (últimos dados disponíveis) 103 roubos a transeuntes, um aumento de quase 100% em relação a igual período de 2015, quando houve <MC0>55 ocorrências do mesmo crime. Foram registrados sete roubos a estabelecimentos comerciais e 13 roubos de celulares, mesmos números de abril de 2015.

Colaborou Tiago Frederico

Últimas de Rio De Janeiro