Acusado de agressão contradiz versão da ex-mulher

'Eu perdi a cabeça e sei que estou errado. Ela começou me agredindo e toda ação tem uma reação', diz Douglas William Santos ao DIA

Por O Dia

Rio - Uma semana após a denúncia de agressão da ex-mulher em uma transmissão ao vivo em uma rede social, Douglas William Santos, de 39 anos, rompeu o silêncio e contou ao DIA sua versão sobre o episódio. Ele alega que as ações de Danila Areal, 28 anos, foram premeditadas. "Eu perdi a cabeça e sei que estou errado. Ela começou me agredindo e toda ação tem uma reação. No calor do momento, você não vê nada", afirma o encarregado industrial.

Danila Areal e Douglas William Santos Morais estavam juntos desde 2009arquivo pessoal

De acordo com Douglas, eles estavam separados há um mês e o motivo do término seria por causa da desconfiança de Danila. "Ela cismou que eu tinha uma amante. Então, a gente separou. Ela foi na delegacia, fez um boletim de ocorrência e disse que estava com uma medida protetiva contra mim, mas a gente continuou se encontrando", revela.

"A gente estava até planejando viajar para Angra, mas depois de um tempo comecei a perceber que ela estava estranha", diz o homem. Douglas conta que, no dia da agressão, eles se encontraram em uma festa e foram embora juntos. "Foi eu, ela e uma amiga dela. Chegando na casa dessa amiga, ela começou a gritar 'socorro' e pediu para eu descer do carro. Quando desci, ela me deu um tapa. Começou um bater no outro até que deu no que deu. A briga foi feia. Eu errei, mas elas quebraram o meu carro."

Ao ser questionado pela reportagem se esta foi a primeira vez que a agrediu, Douglas é categórico. "Você acha mesmo se eu tivesse a agredido desde os primeiros meses de relacionamento, como ela anda dizendo, ela teria continuado comigo?"

"Nos últimos dois anos, a gente estava discutindo muito por causa do trabalho dela. Ela gerou mais de R$ 30 mil de dívida nos meus cartões, mas eu nunca a agredi. Se eu fosse esse monstro eu não deixaria ela usar meus cartões e meu carro com ela".

Douglas enviou ao WhatsApp O Dia (98762-8248) uma gravação de Danila que teria sido enviada para uma amiga em comum do casal. Segundo ele, a gravação é uma prova da premeditação da ex-mulher. "Umas amigas me mostraram um áudio que ela dizia que iria fazer um escândalo na boate que a gente frequentava e também quebraria o meu carro", conta.

"Nunca mais vou ficar perto. Vou dar uma de louca agora. Ele não vai entrar nunca mais na Sonho Meu (boate) na vida ele. Não vai, que eu vou fazer uma sujeira mesmo. Vou chamar ele para dançar, vou beijar a boca dele e vou gritar como se ele estivesse me agredindo para todo mundo ver. Já fiz amizade com todo mundo. O DJ mesmo já falou, qualquer problema, é só chamar ele. Então, agora, minha filha tão falando que eu consegui medida protetiva contra ele para f... com ele. Agora eu vou f... com ele, quero f... com ele. Tô com medo dele vir aqui, acho que vou trocar de roupa e quebrar o carro dele inteiro na hora que ele parar aqui. Acho que é isso que eu vou fazer, pegar uma vassoura, um cabo de alguma coisa, uma cadeira sei lá. Quebrar o carro dele inteiro, quando ele parar aqui", diz Danila na gravação.

Para Douglas, as acusações de Danila são mentirosas e a ex-mulher está querendo se promover com a repercussão do caso. "Ela está se fazendo de coitada. Eu estou errado, mas a pessoa que manipulou a situação também está e a sociedade não vê isso. As pessoas só estão levando em consideração a imagem dela agredida, que realmente é chocante."

No entanto, o homem diz não saber quais seriam as motivações da ex-mulher para as acusações que, de acordo com ele, são mentirosas. "Eu fiquei dois dias sem entender nada. Entender a cabeça do ser humano é muito difícil", afirma.

"Eu só quero tocar minha vida e que a Justiça resolva isso. Se eu tiver de pagar por alguma coisa, eu vou pagar. Mas só quero que isso resolva", afirma Douglas, que acredita que a Justiça levará em consideração os áudios gravados pela ex. "Existe a Lei Maria da Penha, mas existe o crime premeditado. A Justiça vê isso e não somente a imagem. Vamos esquecer as imagens e ver que ela agiu de forma premeditada. As imagens são chocantes, mas ela me levou a isso", finaliza.

Após declarações de ex-marido, Danila se manifesta nas redes sociais

O DIA entrou em contato com Danila para ouví-la novamente, mas a jovem informou que não dará mais nenhuma declaração por orientação de sua advogada. Até o fechamento desta reportagem, a defesa não foi encontrada para comentar as declarações de Douglas. 

Na manhã desta segunda-feira, Danila usou as redes sociais para se pronunciar sobre as acusações do ex-marido, publicadas primeiro em um programa de uma rádio de Volta Redonda. "Quero minha vida de volta!!!! País de merda onde os agressores andam por aí soltos na rua e a agredida é obrigada a ficar dentro de casa acuada!!!! Agora estou aqui pensando que esse homem é pior do que eu pensava, ele está de todas as formas tentando me prejudicar, como se já não bastasse o que fez comigo!!!!", diz a mulher em um trecho da publicação. 

Vídeo de denúncia da agressão já foi visto por quase 10 milhões de internautas

Na segunda-feira (27), Danila denunciou as agressões do ex-marido por meio de uma transmissão ao vivo no Facebook. Nas imagens que já foram vistas por quase 10 milhões de internautas, a vítima aparece com marcas de hematomas nos olhos, pescoço e braços.

Danila Areal fez transmissão ao vivo com marcas de hematomasReprodução Internet

A vítima afirma que ligou 17 vezes para o número 190 da Polícia Militar, mas não recebeu qualquer tipo de ajuda. Procurada à época, a corporação disse que este número é de responsabilidade da Secretaria de Segurança Pública. Em nota, o órgão esclareceu que a Central 190 recebe em média 7 mil ligações diárias, sendo que as ligações fora da Região Metropolitana migram para os batalhões locais.

Para a mulher, se expor na Internet foi uma saída para se manter viva. “Sempre fui muito vaidosa e me mostrar dessa forma foi o único jeito de pedir ajuda. Eu só queria que alguém pudesse me ajudar, tinha medo de morrer", diz. "No início, a minha sensação era de revolta e medo. Agora é de gratidão. O vídeo me ajudou muito", disse a jovem na ocasião.

"Esse tipo de violência acontece todos os dias. O que aconteceu comigo, acontece com outras milhares. As mulheres morrem por isso e elas precisam denunciar. Quero ajudar outras mulheres".

Também na ocasião, uma amiga de Danila denunciou o caso para a secretária de Políticas Públicas para as Mulheres de Volta Redonda, Dayse Penna, que diz ter se chocado ao ver o relato da vítima. "Fiz o primeiro acolhimento, perguntei a Danila se ela conhecia os serviços da secretaria. Ela respondeu que não. Então ofereci a ajuda e me coloquei à disposição para qualquer emergência”, contou Dayse. 

Reportagem da estagiária Luana Benedito, com supervisão de Thiago Antunes

Últimas de Rio De Janeiro