Marcelo Crivella critica falta de segurança e alfineta Pezão

Cerimônia de renovação do programa Centro Presente teve a presença de autoridades, como o Prefeito do Rio e o governador Luiz Fernando Pezão

Por O Dia

Rio - O prefeito do Rio, Marcelo Crivella, participou da renovação do programa Centro Presente na manhã desta quinta-feira, no Museu de Arte do Rio (MAR). Na cerimônia, Crivella criticou a violência na cidade, a situação do Estado e afirmou que isso influência diretamente no orçamento da Prefeitura. 

Crivella critica falta de segurança no Rio e alfineta PezãoOnofre Veras / Parceiro / Agência O DIA

"Nós estamos falando de paz. E a paz é fruto da Justiça. Nós temos sofrido. Nós nunca esperavámos o que está acontecendo, mas é um momento difícil que temos que enfrentar. Mas o Rio de Janeiro continua clamando por ajuda. Por que não é possível que em Copacabana um sujeito tenha uma granada na mão e lance ela no meio da rua...", disse Crivella se referindo ao faxineiro que morreu nesta quarta-feira vítima de estilhaços do explosivo arremessado durante confronto de policiais e traficantes no Morro do Pavã-Pavãozinho. 

"Polícia trata do efeito. Mas as causas são mais importantes de serem combatidas. Pezão, como foi parar uma granada na mão de criminosos? Isso é um absurdo. Faço mais uma vez um apelo ao Congresso Nacional para transformar em crime hediondo a posse, o porte, o comércio de armas de uso exclusivo de posse das Forças Armadas" criticou o prefeito. 

Sobre a crise, Crivella afirmou que foi feito um grande remanejamento nos recursos da prefeitura para driblar as dificuldades orçamentárias. "Nós também sofremos com a crise. A crise também atinge a cidade do Rio. Vocês todos sabem que nós fizemos imensos sacrifícios para sediar as Olimpíadas e para criar os BRTs. Foram obras que custaram milhões. Estão feitas, mas a economia não reagiu. A arrecadação dos impostos caiu. E foi feito um trabalho enorme para estarmos aqui", disse ele se referindo a dificuldade financeira para renovar o programa Centro Presente. 

Sobre a expansão do programa, Crivella afirmou que busca a parceria da iniciativa privada para isso. "Temos que expandir esse progama para toda a cidade. Pois, os frutos são bons. E o que é bom nós temos que investir. E nós vamos mandar uma mensagem aos deliquentes. Que eles recuem, pois nós não vamos desistir da cidade." 

Matéria do estagiário Rafael Nascimento, com supervisão da repórter Karilayn Areias

Últimas de Rio De Janeiro