Lula 'não quer ser radical'

Por O Dia

Lula não quer mais ser visto como um "radical". O petista, que pode ser impedido pela Justiça de concorrer à Presidência em 2018, defendeu ontem alianças estaduais do PT com partidos que votaram a favor do impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff, disse que pretende dialogar com empresários "que ainda pensam no Brasil" e prometeu pacificar o país.

"Eu não vou ser mais radical. Estão dizendo que estou mais radical. Não tenho cara de radical nem o radicalismo fica bem em mim. Estou é mais sabido", disse Lula. Sobre a possível prisão e a proibição de concorrer, o ex-presidente tentou demonstrar bom humor. "Eu não posso estar mal-humorado porque sou corintiano e estou em primeiro lugar nas pesquisas."

Comentários

Últimas de Mundo & Ciência