Passista denuncia preconceito em loja

Por O Dia

A novela das 21h da Rede Globo retrata os desafios das pessoas que sofrem de nanismo. Na última terça-feira, Viviane de Assis viveu na pele o que os espectadores só veem na televisão. Ao entrar em uma loja de roupas, na Tijuca, na Zona Norte, ela foi retirada do estabelecimento por uma vendedora que dizia "tira essa coisa daqui".

Passista da escola de samba Viradouro, Viviane desabafou em uma transmissão ao vivo em sua rede social e contou sobre o preconceito sofrido na loja Malta Modas, na Praça Saens Peña. "Graças a Deus, sou muito respeitada no mundo do samba, mas estou constrangida. Não é só na novela. Sou mãe e bem resolvida com a minha vida, mas em pleno século 21 existem pessoas assim", lamentou.

Após o constrangimento e a transmissão, Viviane se dirigiu à 19ª DP (Tijuca), onde registrou ocorrência pelo crime de preconceito. A pena prevista na lei, em caso de condenação, é de um a três anos de prisão. "Eu não quero medo, eu quero respeito", desabafou Viviane. Procurado, nenhum representante da loja foi encontrado.

Comentários

Últimas de Rio De Janeiro