Coluna Esplanada: São Paulo lidera regularização de dinheiro não declarado

Já foram ‘encontrados’ , em vários paraísos fiscais, cerca de R$ 156 bilhões

Por O Dia

Os moradores do Estado de São Paulo lideram a regularização de dinheiro não declarado e depositado no exterior, seguindo a Lei 13.254. Segundo levantamento da Receita Federal para a Coluna, eles são mais de 60% das 24.850 pessoas que aderiram ao programa, que prevê 30% de arrecadação para a União — 15% de Imposto de Renda e 15% de multa, para quem quiser repatriar. Já foram ‘encontrados’ lá fora, em vários paraísos fiscais, cerca de R$ 156 bilhões. E a Receita já arrecadou até ontem R$ 46,8 bilhões, dentro da meta de R$ 50 bilhões estipulada pela União. A regularização, com ou sem repatriação, livra o cidadão de processos criminais.

O vice
Na consulta prévia, os moradores do Rio de Janeiro são vice-líderes em regularização das contas não declaradas no exterior. Respondem por 20% dos registros. Há contribuintes de outros estados.

PJ$
Até o momento, 96 grandes empresas, as chamados Pessoas Jurídicas, também aderiram ao Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária.

Indulto, não!
A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) pedirá hoje pessoalmente à presidente do STF, Cármen Lúcia, que a Corte interceda para rever indulto que extinguiu a pena do ex-prefeito de Coari (AM), Adail Pinheiro. Ele foi condenado a 11 anos e 10 meses por exploração sexual de crianças e adolescentes.

Canetada
Acusado de ser chefe de uma rede de prostituição infantil no Amazonas, Adail foi beneficiado por decreto assinado no fim de 2016 pelo presidente Michel Temer.

Silêncio
Nota-se o silêncio ensurdecedor dos órgãos de direitos humanos e defesa das mulheres no governo federal sobre o caso do político de Coari.

Ponto Final
Jair Bolsonaro anda tietado. Mal colocou o pé fora do gabinete ontem à tarde e foi cercado. Foram oito selfies em dois minutos. Não significa que são eleitores.

Últimas de Brasil