Jovem que matou irmãos a facadas é preso

Suspeito se apresentou à polícia na tarde desta quinta, no Guarujá

Por O Dia

São Paulo - O suspeito de matar a dois irmãos a facadas foi preso temporariamente na tarde desta quinta-feira, no Guarujá, no litoral de São Paulo. Matheus Fernandes, de 24 anos, vai ficar na cadeia anexa ao 1º Distrito Policial (DP) da cidade, enquanto a polícia ouve testemunhas. 

Matheus é suspeito de matar a ex-namorada e o irmão dela a facadasReprodução Facebook

Ele é acusado de matar a ex-namorada, Nathalia Aparecida dos Santos Silva, de 20 anos, e o irmão dela, Matheus Santos Silva, de apenas 12. O crime ocorreu no último domingo e os corpos foram encontrados pela avó das vítimas. 

Em depoimento à polícia, Fernandes diz não saber como ou quantas vezes agrediu as vítimas. Após o crime, ele colocou a faca dentro da mochila porque "não sabia o que fazer com ela" e fugiu da casa. Ele foi visto por testemunhas deixandoo imóvel com uma das mãos feridas, levantando suspeita sobre a autoria do crime. 

Fernandes compareceu à delegacia acompanhado do advogado Roberto de Carvalho Custódio. "Ele confessou os dois crimes e disse que agiu em legítima defesa porque foi atacado, mas as marcas nos corpos das duas vítimas contrariam essa versão", disse Nei Gomes, chefe dos investigadores do 1º DP. 

O acusado contou à polícia que havia passado a noite na casa da ex-namorada e teria dito a ela que iria a uma festa. "Quando soube da festa, a menina teria ficado com ciúme, pegado a faca e partido para cima dele. Afirmou ainda que o irmão da menina também o atacou, mas não lembra de mais nada depois disso", diz Gomes. 

De acordo com a Polícia Civil, as investigações preliminares apontam para que o caso seja enquadrado como "crime passional", uma vez que o suspeito não teria aceitado o término do relacionamento com a ex-namorada. 

As autoridades também investigam se o irmão de Nathália, Matheus Silva, morreu tentando defender a irmã: "Matheus foi o mais machucado. Nós já sabemos que ele não aprovava o relacionamento da irmã com o suspeito, e talvez, na hora que tudo aconteceu, possa ter agido para defendê-la, mas estamos apurando tudo", disse Estevam Gabriel Urso, delegado a frente do caso. 

Últimas de Brasil