Luís Pimentel: Paixão na Avenida

Também somos um beco. E o que não falta nessas calçadas são tipos preciosos, para o bem ou para o mal

Por O Dia

Luís Pimentel%3A Paixão na AvenidaNei Lima / Agência O Dia

Rio - O Rio de Janeiro, esse cartão-postal que não se enquadra em moldura pré-fabricada por turistas deslumbrados, não passa de uma avenida. Cheia de curvas e reentrâncias, serpenteando da Zona Oeste ao Centro com direito a chocalhos de cobra pelas virilhas da orla mais linda do mundo. Aqui inocente não se cria, mas há quem consiga inchar e falir empreendimentos onde o x do problema está exatamente no X.

Também somos um beco. E o que não falta nessas calçadas são tipos preciosos, para o bem ou para o mal. Como aquele que conheci em um Carnaval que passou, quando a gente trocava beijos e gentilezas nos blocos sem levar safanão de pichadores de estátua e se apaixonava na Avenida, independente do enredo. Foi assim:

Saio do Sambódromo na madrugada de terça-feira, depois de ver o desfile da última escola de samba da segunda, e me dirijo à estação do Metrô na Praça Onze. Na fila dos bilhetes, o folião me aborda, lata de cerveja na mão e cigarrinho apagado no canto da boca:

— Tu conheces a Doralice?
— Só a do samba: “Doralice, eu bem que te disse que amar é tolice, é bobagem, é ilusão”.
— Falo sério, meu chapa. Doralice parece mulata do Lan. Todos os dentes na boca, peitinhos de amora, coxas de italiana, balaio grande...
Estava musicalmente inspirado, atropelei novamente:

“Mexia um balaio grande, muito mais macio que o boto cor-de-rosa do Custeau”. Mas isso é de outro samba. Fala mais de Doralice.
— Conheci domingo, no desfile da Mangueira.
— Como diria o grande Wilson das Neves, “ô, sorte!”.
— E perdi ontem, no embalo da Mocidade.
Adoro essas histórias, desde menino. Vivia pedindo para minha mãe recontar o drama de um corno amigo que se ajoelhou diante da infiel: “Volta e traz quem tu quiser contigo”. Quis saber como é que foi:
— Como ganhei ou como perdi?
— As duas. O importante é competir, sem tapetão.
O folião não regateou:
— Ganhei de um sambista desatento, que marcou bobeira. E perdi para uma loura de cinema, que prometeu a ela uma vaga de rainha de bateria pro ano que vem.
— E Doralice?

— Foi. A essa altura, já deve estar ensaiando com a louraça.

Entre os anos 2000 e 2007 assinei crônicas semanais neste jornal. Antes atuara como editor de Opinião. Nas duas funções substitui o jornalista, escritor e crítico teatral Armindo Blanco – um dos textos mais elegantes da imprensa brasileira. É uma alegria, portanto, estar escrevendo aqui novamente. Vamos que vamos.

Últimas de Carnaval