Oi quer transformar multas em serviços melhores

Saiu no Diário Oficial da União a proposta de acordo a ser feito entre a operadora e a Anatel, trocando R$ 1,5 bilhão de multas por investimentos

Por O Dia

Rio Não é sempre que aparecem boas notícias a respeito das empresas de telefonia celular. Pois bem. Saiu no Diário Oficial da União a proposta de um acordo a ser feito entre a operadora Oi e a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), trocando R$ 1,5 bilhão de multas por investimentos. A empresa não pagará nada à Anatel, mas terá que gastar a grana na melhora de sua rede, ampliando a cobertura e até, benzadeus, melhorando o atendimento ao cliente.

Vamos torcer para que a Oi faça a sua parte, até mesmo por questões de sobrevivência. Uma série de erros administrativos, ao longo dos últimos anos, levou a Oi a acumular uma dívida de R$ 55 bilhões, segundo o Convergência Digital. Ainda há outros R$ 2 bilhões em multas a serem renegociadas somente com a Anatel.

E por falar na agência reguladora, parece que as empresas de telefonia estarão bem à vontade para limitar seus planos de dados, questão que está provocando muita discussão porque os clientes podem acabar no prejuízo. A Anatel até que deixa claro que o consumidor não pode sair perdendo no consumo de internet, que é muito mais que simples entretenimento. Até aí morreu o Neves.

Só que, ao mesmo tempo, a agência lembra que o setor tem que dar lucro, para atrair investimentos. Ou seja: vamos nos preparar para usar menos a internet nossa de cada dia.

Para todos

Alguém aí costuma usar o Tinder, aquele aplicativo que facilita a busca por novas amizades, relacionamentos duradouros e paixões fulminantes? O app assumiu que era meio conservador e agora, além das duas opções de gênero mais comuns (homem ou mulher, dã), permitirá que o usuário marque também a opção para transexuais. Nos tempos medievais em que estamos vivendo, é um avanço importante.

Antigas ideias

Essa história de arrumar parceiros é um velho esporte, e por isso não param de surgir aplicativos para facilitar a brincadeira. Agora mesmo está chegando o Fresh, que mistura o Tinder com o Snapchat. Centrado em vídeos e fotos, a intenção é a mesma. Para não enganar ninguém, o usuário terá que atualizar constantemente as suas fotos – em vez de usar imagens do tempo dos Menudos, como já vi por aí.

Alô, Uber

Esta coluna tem recebido muitas queixas de clientes do Uber, o aplicativo que permite serviço de táxi não regulamentado. São relatos sobre motoristas que não conhecem a cidade, carros em condições abaixo do padrão etc. Será que só no Rio é assim? É uma pena, porque o Uber dá certo no mundo todo. Não por acaso, aliás, os árabes estão investindo US$ 3,5 bilhões no Uber.

Notas

RONALDIIIIIIIIINHO

Difícil, muito difícil, que o Facebook se sinta ameaçado, mas o craque Ronaldo Gaúcho acaba de lançar sua própria rede social, disponível em https://www.ronaldinho.com/. Nesse primeiro momento, parece mais uma bem sacada peça de marketing sobre o jogador às vésperas de sua aposentadoria. Ou seja, é uma plataforma que pode garantir a ele uns trocados... Além disso, é uma aposta interessante no nosso comportamento na internet, porque a verdade é que o Facebook já se tornou um mafuá dos grandes, e a segmentação das redes sociais por assuntos afins é uma boa estratégia para quem deseja encontrar sua turma num ambiente menos poluído.

No caso, claro, a novidade vai mirar na turma que gosta de futebol — o que, convenhamos, não é pouca gente. Como o craque não costuma perder dinheiro, tudo leva a crer que a experiência pode ser bem-sucedida e render muitos filhotes.

Últimas de Economia