Consultorias e bancos fazem revisões para cima de previsões sobre economia

A maioria dos indicadores de confiança da indústria, comércio, consumidores e outros segmentos aponta para dias melhores

Por tabata.uchoa

Rio - Começa a perder força o mau humor do mercado mantido há dois anos, e pipocam com mais força sinais de otimismo diante das perspectivas de mudanças no cenário econômico. Nas últimas semanas, uma leva de bancos e consultorias alteraram, para melhor, suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) deste ano e principalmente do próximo.

A maioria dos indicadores de confiança da indústria, comércio, consumidores e outros segmentos aponta para dias melhores, o que pode indicar que o Brasil já bateu no fundo do poço e a tendência agora é começar a sair dele.

A expectativa é de que, após a efetivação de Michel Temer e sua equipe econômica no governo, o País "comece a sair do buraco e parta para a retomada mais consistente", avalia o economista Roberto Mendonça de Barros, da MB Associados.

A consultoria MB revisou de 0,6% para 2% a projeção de crescimento do PIB de 2017. Para este ano, a queda antes prevista em 4,1% baixou para 3,3%. "O último trimestre já deve ter uma virada leve, mas levará o próximo ano a abrir com crescimento", prevê o economista. Em 2018, diz, a fase de crescimento será mais sustentável, "dependendo de quem for eleito (como presidente)".

Mendonça de Barros aponta como fatores importantes o crescimento do setor agropecuário, das exportações e a queda futura da inflação e dos juros. "Os bancos devem ficar mais flexíveis em prazos, o que dará certo estímulo aos consumidores de bens duráveis. Muita gente que postergou compras por causa da falta de confiança deve voltar ao mercado".

Neste mês, o índice da Fecomércio-SP que mede a confiança do consumidor atingiu 98 pontos. Ainda é baixo, levando-se em conta que zero significa pessimismo total e 200 pontos otimismo total, mas é a primeira elevação em 40 meses na comparação anual.

Para o economista-chefe do Banco Fibra, Cristiano Oliveira, a alteração no cenário político teve força grande na mudança de humor dos empresários e do mercado. Segundo ele, sabia-se que o novo governo voltaria a adotar o tripé macroeconômico (câmbio flutuante, responsabilidade com as contas públicas e sistema de metas de inflação).

Com essa visão, o Fibra foi o primeiro a mudar a expectativa de crescimento do PIB de 2017 de 1% para 2,1% - a melhor projeção até agora.

"A alteração foi feita alguns dias antes do impeachment de Dilma Rousseff, pois na época já começavam a aparecer mudanças nos diversos índices de confiança e o movimento continuou", diz Oliveira. Ele ressalta, porém, que o crescimento deverá vir principalmente das exportações pois, para o mercado interno, a previsão é de alta de apenas 0,5%.

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei), divulgado na semana passada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), subiu pelo segundo mês seguido, para 45,7 pontos, o maior desde novembro de 2014. Ainda assim, segue abaixo de 50 pontos (limite para indicar confiança dos empresários). A média histórica é de 54,3 pontos.

Esperança

"Traduzo mais como índices de esperança de que as coisas vão mudar", afirma João Carlos Marchesan, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Para ele, ainda faltam sinais de retomada de investimentos e de redução do desemprego. De 2013 para cá, o setor de máquinas teve recuo de 38% em suas atividades e demitiu, só no ano passado, quase 28 mil trabalhadores.

Mendonça de Barros e Oliveira ponderam que investimentos e empregos vão demorar mais para reagir, pois as empresas atuam com elevada ociosidade. A melhora desses indicadores só deve começar a partir de 2017.

Embora não tenha alterado as projeções de queda de 3,2% para o PIB neste ano e de alta de 1,5% em 2017, o economista-chefe da LCA Consultores, Bráulio Borges, afirma que, se levasse em conta dados que estão sendo divulgados agora, como produção industrial, índices de confiança e expectativas para o segundo semestre, a previsão do PIB para este ano seria de queda abaixo de 3% e a alta para 2017 iria a 2,5%.

Caso as sinalizações se concretizem, Borges acredita que o País terá alcançado o fundo do poço agora - e não no fim do ano, conforme enxergavam vários analistas. O próximo passo será de recuperação. Caso a próxima divulgação do desempenho da produção industrial continue mostrando recuperação, "certamente vai ocorrer uma segunda onda de revisão de projeções", diz Borges.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia