Governo baixa juros do consignado do INSS para 2,08% ao mês

A queda entrará em vigor assim que o governo publicar a a resolução no Diário Oficial da União

Por O Dia

Rio - Os aposentados e pensionistas do INSS e o funcionalismo público federal vão pagar juros mais baixos para pegar empréstimo consignado, aquele com desconto em folha. Nesta quinta-feira, o Conselho Nacional de Previdência e o Ministério do Planejamento anunciaram a redução das taxas das operações desse tipo de empréstimo: de 2,14% ao mês para 2,08% (aposentados e pensionistas do INSS) e para o funcionalismo, a redução será de 2,2% a 2,05% ao mês, conforme O DIA informou na edição do dia 7 de setembro.

A queda dos juros para aposentados entrará em vigor assim que o governo publicar resolução no Diário Oficial da União (DOU), o que deve ser feito nesta sexta. Esta é a segunda vez que o governo reduziu a taxa máxima. Segundo o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, a medida representa redução de R$ 5 bilhões ao ano no pagamento de juros de crédito consignado. “Isso é mais dinheiro que fica para o aposentado e para o servidor usar para suas necessidades”, disse.

O ministro destacou que as sucessivas reduções da taxa básica de juros, a Selic, bem como a política de ajuste fiscal, possibilitaram a medida em relação aos empréstimos consignados.

“O governo adotou uma agenda de reformas, uma agenda de ajuste fiscal e de austeridade. Isso permitiu que as taxas de juros caíssem. E por isso hoje temos a oportunidade de reduzir as taxas de juros do consignado”, explicou Oliveira.

A primeira redução nos juros máximos do empréstimo consignado este ano ocorreu em março, com queda de 0,3% para servidores e 0,2%.

Concessões no Refis

O ministro tentou minimizar as concessões feitas no texto do Refis, que começou a ser votado na Câmara. A forma final não agradou à equipe econômica, mas o presidente Temer, em popularidade em baixa (3%), precisou ceder para agradar parlamentares no momento em que enfrenta nova denúncia de corrupção.

Últimas de Economia