'Não há corrupção no futebol, mas sim nos indivíduos. Estou limpo', diz Blatter

Em entrevista à BBC, Presidente da Fifa reforçou seu discurso de que a entidade não é corrupta apesar das evidências

Por O Dia

Suíça - O presidente da Fifa, o suíço Joseph Blatter, que deixará o cargo em fevereiro de 2016 devido ao escândalo sobre supostos subornos a dirigentes da entidade, afirmou nesta segunda-feira que o futebol não é um esporte corrupto.

"A instituição não é corrupta. Não há corrupção no futebol, e sim nos indivíduos. São as pessoas. Sei o que fiz e o que não fiz. Tenho minha consciência e sei que sou um homem honesto. Estou limpo", disse Blatter, de 79 anos, em entrevista à emissora pública britânica "BBC".

No cargo desde 1998, o mandatário anunciou sua renúncia quatro dias após ser reeleito, no fim de maio, após a prisão de sete altos cargos do organismo:"Fiz isso porque queria proteger a Fifa. Eu posso proteger a mim mesmo, sou forte o suficiente", argumentou.

Joseph Blatter negou corrupção na Fifa. Ele deixa a presidência em fevereiro de 2016Efe

O dirigente acrescentou que não se sente "moralmente responsável" pelos atos de dirigentes como o americano Chuck Blazer, que admitiu ter recebido propinas relacionadas à Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. Blazer, que chegou a criar uma fortuna avaliada em US$ 22 milhões, ocultos em empresas de fachada, aceitou colaborar com a Justiça americana em 2011 para evitar a prisão.

A delação do dirigente foi fundamental para que o Departamento de Justiça dos EUA apresentasse acusações contra nove diretores da Fifa e outras cinco pessoas vinculadas à organização. Apesar das dúvidas sobre a Copa do Mundo da África do Sul, Blatter garantiu nesta segunda-feira que a edição de 2010 foi a "mais limpa que já foi realizada".

O presidente assegura que a Fifa foi a "parte que sofreu" por causa desses escândalos, apesar de acreditar que a entidade irá se reerguer depois da onda de acusações contra alguns de seus integrantes.

Últimas de Esporte