Previdência aprova prazo maior para pagamento de empréstimo consignado do INSS

CNPS autorizou aumento de cinco para seis anos o prazo máximo de quitação com desconto em folha de pagamento e no cartão de crédito

Por O Dia

Rio - Os aposentados e pensionistas do INSS vão ter mais tempo para pagar empréstimos consignados e firmados em bancos conveniados com a Previdência. O Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS) aprovou nesta quinta-feira resolução que autoriza o INSS aumentar de cinco anos (60 meses) para seis anos (72 meses) o prazo máximo de quitação de empréstimos com desconto em folha de pagamento e no cartão de crédito. A medida passará a valer assim que o INSS publicar, em breve, portaria com a mudança.

Segundo o secretário de Políticas de Previdência Social, Benedito Adalberto Brunca, a elevação do prazo para pagar o empréstimo servirá para aquecer a retomada do crédito. “Houve um debate em termos de governo, de medidas que pudessem aquecer a retomada do crédito, da oferta. No nosso caso, o sentimento foi da possibilidade de avançarmos um ano (na ampliação do prazo)”, explicou.

Mesmo com aumento do prazo de pagamento, o conselho manteve em 2,14% ao mês a taxa de juros dos empréstimos. Para as operações com cartão de crédito, os juros permanecem em 3,06% ao mês. De acordo com Brunca, de 25 milhões de segurados que têm condições necessárias para pegar crédito consignado, pelo menos 55% já pegaram recursos nos bancos.

O secretário explicou que o CNPS preferiu por ampliar o prazo em 12 meses e não por um período maior por precaução. “Por conta do perfil do público, há necessidade de que a gente tome as cautelas necessárias para fazer esse estímulo dentro de um critério de maior controle de segurança”, explicou.

De acordo com levantamento do ministério, considerando os contratos ativos em agosto de 2014, 91% tinham prazo entre 49 e 60 meses para liquidação. Cerca de 61% estavam no limite máximo de 60 meses. Em apresentação no coselho, o Bruca mostrou dados do Banco Central que confirmam que o consignado tem as menores taxas para pessoas físicas, com média de 27,9% ao ano, contra 172,4% ao ano do cheque especial e 101% ao ano, do crédito pessoal normal, sem desconto em folha.

Últimas de _legado_Economia