Ação da Petrobras sobe 11% com Bolsa de Valores em alta

O principal índice da Bovespa fechou com valorização de 3,64%, a 47.715 pontos

Por O Dia

São Paulo - O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo fechou em forte alta, no terceiro avanço consecutivo. O Ibovespa encerrou o pregão com elevação de 3,64%, a 47.715 pontos, na maior valorização desde 21 de novembro de 2014, impulsionada por ações de empresas brasileiras exportadoras, como Petrobras e Vale.

No melhor momento do dia, o índice chegou a subir 4,25%. O giro financeiro somou R$ 7,8 bilhões. O Ibovespa acumula alta de 7,6% nas últimas três sessões.

A valorização da Bolsa refletiu um sentimento de alívio dos mercados financeiros globais. A economia dos EUA cresceu mais rápido do que se esperava no segundo trimestre deste ano, ao ritmo anual de 3,7%, muito acima da taxa de 2,3% projetada no mês passado, informou o Departamento de Comércio norte-americano, em sua segunda estimativa do PIB.

As preocupações com a desaceleração da economia da China, que derrubaram com força os mercados no início desta semana, também mostraram algum arrefecimento.

As ações da Petrobras tiveram alta de 9,62% nas ações preferenciais e 11,28% nas ações ordinárias, maiores altas desde o início de fevereiro, favorecidas pelo dia de grande avanço dos preços do petróleo no exterior.

As ações da Vale tiveram ganho de 8,63% para as preferenciais e de 11,26% para as ordinárias. Pela manhã, a mineradora informou que fechou acordo para vender uma mina de carvão desativada na Austrália para a Glencore e o Bloomfield Group por um valor não divulgado, dando continuidade à venda de ativos não essenciais.

As ações das siderúrgicas Gerdau e CSN saltaram, respectivamente, 10,88% e 9,87%, com o dia mais positivo para commodities. A Gerdau, que gerou 34% de sua receita líquida na América do Norte no segundo trimestre, costuma ser beneficiada por dados positivos sobre atividade econômica dos Estados Unidos.

A CSN também foi influenciada por notícias de que estaria em negociação para alongar parte da dívida, diante de um elevado nível de endividamento.

Na avaliação do analista Raphael Figueredo, da Clear Corretora, “o investidor indo às compras é um sentimento de alívio e um pouco de procura por pechinchas, por causa das quedas recentes da bolsa. (Com Reuters)

Últimas de _legado_Economia