Informe: Crivella mira votos de comunidades sob influência de escolas de samba

Ex-presidente da Mocidade tem feito a ponte entre o candidato à prefeitura e representantes da agremiação de Padre Miguel

Por O Dia

Rio - Marcelo Crivella mira agora os votos das comunidades sob influência de escolas de samba. Ex-presidente da Mocidade, Paulo Viana tem feito a ponte entre o candidato do PRB à prefeitura e representantes da agremiação de Padre Miguel. A Mangueira e a São Clemente também estão no pacote.

A aproximação com a Verde e Rosa ficou a cargo de Chiquinho da Mangueira, do PTN — partido que integra a coligação de Crivella. “O objetivo é acabar com esse mito de que o Crivella, por ser religioso, não gosta de samba e de Carnaval. Muito pelo contrário”, diz Paulo Viana.

Urna de samba
Já Pedro Paulo Carvalho (PMDB) aposta nos votos de moradores do Salgueiro, na Tijuca, e do entorno da Portela, em Madureira. Presidentes das escolas, Regina Celi e Marcos Falcon são candidatos a vereador por partidos que integram a coligação do peemedebista. 

Explicação
Aliados de Pedro Paulo atribuem a queda do índice de rejeição de Crivella ao fato de ele ter sido pouco atacado pelos adversários até aqui — como o candidato do PRB aparece bem à frente nas pesquisas, restaria aos outros duelar entre si para ver quem o enfrentará na etapa final.

Como em 2014
“Ninguém está reforçando que o Crivella é sobrinho do bispo Edir Macedo, da Igreja Universal. Nem a aliança dele com (Anthony) o Garotinho. Na capital, associar a imagem à do ex-governador atrapalha. Destacaremos isso no segundo turno, como o Pezão fez em 2014”, avalia uma pessoa próxima a Pedro Paulo, contando com o êxito do peemedebista no primeiro turno. 

Privilegiado
O candidato Indio da Costa (PSD) tem citado com propriedade números das contas da prefeitura. E pode. Dois servidores do Tribunal de Contas do Município têm passado informações, digamos, privilegiadas a ele.

Últimas de Rio De Janeiro