OURO OU BOLHA?

Saiba mais sobre o bitcoin, moeda digital que divide opiniões

Por O Dia

bit
bit - arte o dia

Fenômeno monetário da década, o bitcoin dispara na cotação na mesma velocidade com que surgem dúvidas, interessados e críticas até economistas com Prêmio Nobel na estante torcem o nariz para a criptomoeda. Se é uma bolha e quando vai estourar, ninguém sabe; o certo é que muitos já ganharam milhões apostando com carteiras virtuais. O câmbio é dinâmico. Às 22h de sexta-feira, quando esta página foi fechada, um bitcoin valia mais de R$ 50 mil.

Ao contrário do real, do dólar e do euro (e por aí vai), o bitcoin não é regulado por nenhum Estado, muito menos tem um Banco Central tomando conta. A lisura dos processos, garantem os operadores, está nos milhões de computadores que validam cada transação. Todas, desde 2009, estão em um 'livro-caixa' público e inviolável, o 'blockchain'.

UM GIGANTE

No começo do ano, um bitcoin era negociado por mil dólares (R$ 3.300), mas seu valor se multiplicou por 15, estimulado pelo interesse dos mercados americanos, que preveem lançar este mês contratos a prazo.

Atualmente, o valor de mercado do bitcoin é superior ao da Coca-Cola e ao Produto Interno Bruto de um país como a Finlândia. "A evolução do preço é excepcional e não tem equivalentes. Essa dinâmica é claramente uma bolha, só não sabemos quando vai estourar", garante Neil Wilson, analista da ETX Capital.

Muitos discordam. "Quem fala em bolha não tem o menor conhecimento histórico do bitcoin. O mundo digital requer economistas que analisem melhor esse histórico. A bolha até vai estourar, mas vai se recuperar de novo, como aconteceu umas cinco vezes e voltou com preço quatro vezes maior", atesta Rocelo Lopes, CEO da CoinBR, uma das corretoras em atividade no Brasil.

Adilson Silva, da Mazars, empresa de auditoria e consultoria, acha inevitável a comparação com moedas físicas. "O dólar, por exemplo, tem um laço econômico; já o bitcoin é especulativo, é oferta e demanda: quanto mais pessoas compram, mais ela sobe, e quanto mais pessoas vendem, ela decai. O risco é muito grande. Por outro lado, é uma forma de pagamento importante, não podemos fechar os olhos para isso. No Brasil, 2.000 comércios já aceitam", enumera.

'Pirata'

Joseph Stiglitz, Nobel de Economia em 2001 e ex-economista-chefe do Banco Mundial, é curto e grosso. "Por que as pessoas querem essa 'moeda alternativa'? É para participar de atividades ilícitas: lavagem de dinheiro, evasão fiscal", fuzilou, em entrevista à BBC. Jean Tirole, vencedor em 2014, faz coro. "Não tem valor intrínseco, pode afundar da noite para o dia. Por isso, não gostaria que os bancos franceses investissem no bitcoin."

O risco, de fato, é uma unanimidade. "Há investidores cientes disso: 'Eu sei que tem o risco, mas tem os números, o histórico". E tem a questão de o usuário poder executar o investimento a qualquer momento, sem ter que ligar para banco", comenta Rocelo. "Não é uma atividade econômica regulada. A moeda sobe e desce muito rapidamente e, apesar de a rentabilidade ser grande, o risco também é", resume o professor de economia do Ibmec-RJ Ricardo Macedo.

Esçprevam dolor sit vix et labitur est

Nat rem qui omnimusda del eum eius porum dia et, eaquodit opta dolorepellam dolorem quost adit, temporitat.

Ecatur, iunt lat laut vel ma doloria dolectu riosam experrum essimodipsa pores eum alitatio iderum et ea cor aut eum debis aut ut et ut fugiam est, ad molorem possuntus arcitas sitaqui simi, officiduci conse imentibus es eos et late nonsequodi quam everem iuntest, si cum ulpa vellante ommos eleste sin rem dunturi con expero doluptas vel id qui torporp oreiunt velique ped ut harchit, optam ipist rererum quidis e

CURIOSIDADES

QUEM É O PAI?

O bitcoin surgiu de um estudo assinado por um tal de Satoshi Nakamoto, que jamais deu as caras. Especula-se que seja um grupo por trás de um pseudônimo.

DE GRÃO EM GRÃO

Você não precisa comprar um bitcoin inteiro. Há frações e frações da moeda, a preços acessíveis.

MINERAR É PRECISO?

Há quem gaste um bom dinheiro montando computadores robustos para validar as transações. A cada lote de mineração, os primeiros a verificar a autenticidade da transferência ganham frações da moeda. Mas hoje a atividade já não vale mais tanto a pena, por exigir muito da máquina.

Comentários

Últimas de Brasil