Facebook suspende censura sobre foto histórica da guerra do Vietnã

Imagem de menina fugindo de bombardeio de napalm foi considerada infração a política de conteúdo da rede social e causou polêmica

Por O Dia


Los Angeles - O Facebook voltou atrás nesta sexta-feira e suspendeu a censura que tinha imposto na rede social à famosa foto da menina que foge de um ataque com napalm, registrada em 1972 por Nick Ut durante a Guerra do Vietnã, para apaziguar uma polêmica na Noruega que provocou queixas de veículos de comunicação e autoridades do país nórdico.

A controvérsia começou há poucos dias, quando se soube que o Facebook tinha fechado temporariamente a conta do escritor norueguês Tom Egeland por divulgar em sua página a imagem, na qual uma menina nua aparece fugindo do bombardeio com napalm realizado pelas forças americanas. Vários membros do governo norueguês, incluindo a primeira-ministra Erna Solberg, e o principal jornal do país, "Aftenposten", criticaram o Facebook, que finalmente voltou atrás e aceitou a veiculação da imagem em sua rede.

"Uma imagem de uma menina nua normalmente violaria nossas Normas Comunitárias (políticas de conteúdo apropriado no Facebook) e em alguns países inclusive poderia ser qualificada de pornografia infantil", explicou a empresa fundada por Mark Zuckerberg em comunicado reproduzido pelo portal tecnológico "Recode".

No entanto, o Facebook reconheceu "a história e a importância global" desta fotografia específica. "Devido a seu status como uma icônica imagem de importância histórica, o valor de permitir que se compartilhe supera o valor de proteger à comunidade com sua eliminação, portanto decidimos readmitir a imagem no Facebook onde estamos conscientes de que foi eliminada", acrescentou a nota.

Previamente, diferentes pessoas e vários veículos de comunicação na Noruega, alarmados pela extinção da conta do escritor Tom Egeland, compartilharam também a fotografia, mas foram, da mesma forma, advertidos pelo Facebook para retirar a imagem devido à proibição de divulgar nudez em suas páginas. "O Facebook comete um erro por censurar fotos assim. Falamos de uma imagem que contribuiu à história universal, a imagem de uma menina aterrorizada que foge da guerra", escreveu hoje em sua conta nessa rede social a primeira-ministra norueguesa, Erna Solberg, que também reproduziu a mítica fotografia do repórter Nick Ut.

O comentário da primeira-ministra norueguesa com a foto de Ut foi eliminado pelo Facebook horas depois, o que foi denunciado pela própria Solberg nessa mesma rede social, voltando a publicar essa e outras imagens históricas. "Enquanto estava sentada em um voo de Oslo a Trondheim (oeste da Noruega), o Facebook apagou um comentário em minha página. O que faz eliminando fotos deste tipo, independentemente que tenha boas intenções, é reescrever nossa história comum", considerou.

O jornal "Aftenposten" dedicou nesta sexta-feira toda sua capa ao assunto e, além de reproduzir a foto, incluiu uma carta aberta de seu redator-chefe, Espen Egil Hansen, ao fundador da rede social. "Escute, Mark, isto é sério. Primeiro você faz regras que não distinguem entre pornografia infantil e famosas fotos de guerra, depois as aplica sem deixar margem ao bom julgamento, e depois censura também a crítica e o debate e castiga os que se atrevem a criticar", escreveu Hansen.

Últimas de _legado_Mundo e Ciência