MetrôRio é processado por defeito em ar-condicionado

Processo administrativo foi instaurado pelo Procon Estadual após um usuário denunciar falta de refrigeração em um dos vagões

Por O Dia

Rio - Foi instaurado um processo administrativo contra o MetrôRio após um usuário denunciar, em vídeo, que a refrigeração em um dos vagões não funcionou bem no horário do rush, no início da noite de quarta-feira. O passageiro registrou o problema na composição na altura da estação Glória. Segundo a assessoria da concessionária, o problema naquele vagão já foi solucionado no mesmo dia em que apresentou o defeito. 

O ato determina que o MetrôRio apresente sua defesa em um prazo de 15 dias. Caso não seja aceita pelo departamento jurídico do Procon Estadual, a concessionária será multada e o valor será calculado a partir do relatório econômico com base na receita bruta da concessionária dos últimos três meses. Sobre a defesa que deve ser apresentada, a assessoria do MetrôRio informou que o departamento jurídico já está a par da situação e "apresentará defesa perante o Procon no prazo determinado".

Em pleno verão carioca, quando as temperaturas ultrapassam facilmente os 40ºC, a ausência de ar-condicionado em uma composição lotada e onde janelas não podem ser abertas pode gerar graves problemas aos usuários, de acordo com o Procon Estadual.

Metrô é processado por falta de ar em composiçõesGustavo Ribeiro / Arquivo Agência O Dia

Ainda segundo o orgão, o artigo 6° do Código de Defesa do Consumidor (CDC), garante o direito básico de adequada prestação dos serviços públicos em geral. Além disso, o CDC, também determina que órgãos públicos ou suas concessionárias são obrigados a fornecer serviços eficientes e seguros.

Temperatura nas composições antigas da Linha 2 chega a mais de 34 graus

Quem viaja diariamente na Linha 2 do Metrô já sabe: é preciso evitar as composições antigas, os chamados “azulzinhos”. O ar-condicionado desses trens não suporta tanto calor e o passageiro sente como se estivesse no próprio inferno. Nesta quarta, por volta das 17h30, o termômetro levado pela reportagem do DIA registrou temperatura de 34,6 graus, quando o adequado, segundo a concessionária, é 23 graus.

“Essa composição antiga parece uma sauna”, reclamava a copeira Claudia Barros, 33, moradora da Pavuna: “Na hora que volto do trabalho só tem o metrô velho”. Para aliviar o calor, ela se abanava com um jornal.

O termômetro registra 34%2C6 graus dentro de um ‘Azulzinho’Flora Castro / Agência O Dia

Em nota, o MetrôRio disse que "os trens antigos são programados para operar todo o tempo com temperatura média de 23°C, entretanto, o contato com a pedra brita (que no verão chega a atingir 72°C), a estiagem do período de chuvas e o abre e fecha das portas nas estações podem prejudicar o desempenho do equipamento e causar a sensação de que o ar condicionado está com defeito – principalmente nos trechos em superfície".

De acordo com a concessionária, uma força-tarefa foi montada para inspeção geral dos sistemas de ar-condicionado, "tanto preventiva quanto corretiva". "Sempre que um problema é detectado, a composição é retirada de circulação e enviada ao Centro de Manutenção", afirmou o MetrôRio.

"Para ajudar na rápida localização e ação da equipe de manutenção", a concessionária pede que, sempre que possível, usuários informem o número do carro (localizado ao lado das portas e na parte superior do carro) nos telefones de atendimento ao cliente, 0800 595 1111 ou 4003-2111.

Últimas de Rio De Janeiro