'Viúva da Mega-Sena' é transferida para o Complexo de Gericinó, em Bangu

Ela foi condenada a 20 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado no Tribunal de Rio Bonito pela morte do marido

Por O Dia

Rio - Adriana Ferreira de Almeida, conhecida como "Viúva da Mega-sena", foi transferida para a Cadeia Pública Joaquim Ferreira de Souza, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, neste domingo, de acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (Seap). Ela foi condenada a 20 anos de prisão por homicídio triplamente qualificado no Tribunal de Rio Bonito, Região Metropolitana do Rio, pela morte do marido, que havia ganho prêmio de R$ 52 milhões da Mega-Sena em 2007. Desde quinta-feira, Adriana aguardava transferência na 118ª DP, em Araruama, na Região dos Lagos.

Adriana Ferreira Almeida%2C viúva de René Sena%2C antes de condenação, no Fórum de Rio BonitoSeverino Silva / Agência O Dia

No último dia do julgamento pela morte de Senna, a viúva Adriana de Almeida confirmou que transferiu R$ 1,8 milhão da conta conjunta que mantinha com o marido dias depois da morte dele. Ela disse que o gerente do banco mentiu ao dizer que Senna o procurou para cancelar a conta conjunta do casal.

Ao depor na última quinta-feira, Adriana se disse inocente. Afirmou ainda que sua vida "era muito melhor" quando Renné estava vivo. Renné foi morto a tiros por dois encapuzados, em um bar, em Rio Bonito, cidade do Grande Rio, a 80 quilômetros da capital fluminense, em janeiro de 2007.

"Eu podia ter sacado o dinheiro, se quisesse, mas preferi deixar aplicado. Hoje a conta tem mais de R$ 4 milhões e está bloqueada", afirmou Adriana. A cabeleireira disse ainda que amava o marido e negou ter dito que "apenas nutria" carinho por ele.

Para responsabilizá-la como mandante do assassinato, a acusação se baseia em conversas telefônicas entre Adriana e Anderson Souza, condenado a 18 anos de prisão por ter executado o crime. No dia da morte de Renné Senna, Adriana recebeu oito ligações do ex-segurança do marido. Amputado das duas pernas, por sequelas da diabete mal cuidada, Renné Senna deixou de ser lavrador e passou a vender doces à beira da estrada, em Rio Bonito. Em 2005, ele ganhou o prêmio milionário ao fazer uma aposta de R$ 1.

Últimas de Rio De Janeiro