'Saiu para passear e não para levar bala na cabeça', diz mãe de criança baleada

Menino, de oito anos, foi atingido enquanto estava no carro com o pai. No fim da tarde, desta segunda, a família confirmou a morte cerebral

Por O Dia

Rio -Foi confirmada no fim da tarde desta sexta-feira a morte cerebral do menino Renan dos Santos Miranda, de 8 anos, atingido por um tiro na cabeça quando o pai tentou fugir de uma tentativa de assalto. Renan foi  internado em estado gravíssimo na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), no Hospital Estadual Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Na manhã desta segunda-feira, a mãe da criança, Luciene dos Santos, de 37 anos, esteve na unidade e lamentou o ocorrido.

Renan dos Santos Miranda foi baleado na cabeçaReprodução Facebook

"Ele é um menino feliz, alegre. Meu filho já falava em sonhos. Tem que haver justiça. Ele saiu para passear e não para receber uma bala na cabeça, e ficar do jeito que está em cima da cama", afirmou Luciene em entrevista à GloboNews. O menino teria sofrido nove paradas cardíacas.

Irmão e mãe de Renan foram ao Hospital Adão Pereira Nunes. Menino de 8 anos foi baleado na cabeça em CaxiasReprodução TV Globo

Renan foi atingido quando estava no carro com o pai, no bairro de Gramacho, neste domingo. De acordo com informações da PM, o pai do menino tentou manobrar para voltar na via, assim que viu bandidos armados que fecharem o trânsito para assaltar motoristas que passavam pelo local.

Os criminosos atiraram contra o seu veículo e um dos tiros acertou a cabeça de Renan, que estava no banco traseiro. "Os bandidos deram cinco tiros no carro, um deles pegou na mala, passou pelo banco e acertou a cabeça do Renan. O pai dele percebeu o menino deitado, com muito sangue, e correu para o hospital", contou Alberto Macedo, primo da vítima, também à GloboNews.

Irmão de Renan, Leonardo dos Santos Macedo também comentou o caso. "Meu pai disse que um dos bandidos ainda olhou par o rosto dele. Quando meu pai virou de costas, eles atiraram. Eles ainda esperaram o meu pai virar pra disparar. Meu irmão vai virar estatística".

"A gente não tem sossego. Tem que ter hora para sair, hora para voltar. Saímos mas não sabemos se vamos voltar vivos. Meu pai está muito abalado. É muito complicado você ver seu filho baleado. Só peço orações para todos. Orem pelo meu irmão. Que Deus nos ajude", destacou o irmão Renan. 

Nilton Siqueira de Macedo%2C pai do menino baleado na cabeçaEstefan Radovicz / Agência O Dia

O delegado titular da 60ª DP (Campos Elisio) já ouviu o pai, faz perícia no carro e já fez diligências para tentar encontrar os bandidos. Ainda de acordo com o responsável pelo caso, agentes irão recolher imagens de câmeras de segurança no local que possam ajudar na identificação dos bandidos. A Polícia Civil espera que outras testemunhas dos criminosos também ajudem na identificação dos bandidos.

Estado de saúde

O irmão da vítima comentou sobre o estado de saúde do irmão, "Nada foi conclusivo. Eu tenho uma vó de 80 anos que está em casa falando que o meu irmão morreu. Ninguém veio falar com a gente ainda. A médica desde ontem só olha ele. É muito prematuro dizer que o meu irmão morreu".

"O que é mais revoltante é que a polícia não faz e não fala nada. Independente do que acontecer com o meu irmão, não vai resolver. Ele vai virar estatística. Ficamos sabendo que iria ter uma operação, mas depois não houve. A única coisa que a polícia fez foi só colher o depoimento do meu pai e fazer a perícia do carro", concluiu Leonardo. 

Últimas de Rio De Janeiro