'Pequeno Dicionário Amoroso 2' faz análise dos tipos de relações na era da web

Um amor do passado que renasce, uma paixão a três e outra virtual, esses são alguns dos relacionamentos do longa de Sandra Werneck

Por O Dia

Rio - Quem nunca se perguntou sobre aquele grande amor que ficou no passado? Afinal, como seria se houvesse uma segunda chance? A cineasta Sandra Werneck faz parte desse time. Dezoito anos depois de unir e separar os personagens Luiza (Andrea Beltrão) e Gabriel (Daniel Dantas), ela deu uma nova oportunidade a eles em ‘Pequeno Dicionário Amoroso 2’, que estreia nos cinemas. Sequência do blockbuster que atraiu 400 mil espectadores e permaneceu 29 semanas em cartaz, o filme amplia a cartilha amorosa iniciada em 1997.

Andrea Beltrão e Daniel Dantas protagonizam o longaDivulgação

Mas as idas e vindas da dupla podem ganhar um rumo além dos telões. O canal a cabo GNT e a diretora já negociam transformar a história em série — ideia que empolgou os protagonistas. “Um dia eu encontrei a Andrea (Beltrão) em uma festa e fiquei pensando que não havia contado toda essa história. E se esse casal voltasse depois de tanto tempo?”, indagou Sandra.

A resposta veio em forma de mais uma comédia romântica com a missão de decifrar os percalços amorosos de seus personagens. Já no início da sequência, os dois se reencontram no velório do padrasto de Luiza. Basta uma conversa para descobrirem que as afinidades resistiram ao tempo, assim como uma faisca da paixão que viveram. Só que agora Luiza e Gabriel esbarram em outras questões. Comprometidos, acabam se tornando amantes. Mas o que para ele parece cômodo, desperta nela a vontade de se separar do marido (Marcello Airoldi).

“O outro é sempre um risco. As pessoas estão assustadas com o compromisso que se relacionar acarreta”, analisa Daniel Dantas, reconhecendo que seu personagem não amadureceu muito com o passar dos anos. Ele continua seguindo uma rotina parecida com a que tinha nos anos 90. Ainda trabalha pesquisando animais peçonhentos e leva uma vida descompromissada, embora namore uma mulher bem mais jovem (Fernanda de Freitas), que exige muita energia dele.

“Engraçado, isso acontece com muitos homens. Acho que as mulheres amadurecem mais com a maternidade e suas múltiplas funções”, arrisca a cineasta, que, acusada de feminista após o lançamento do primeiro longa, convidou Mauro Farias para codirigir a sequência com ela. “Achei que ter o Mauro codirigindo seria bom para trazer uma visão masculina à história. Ele tem quatro filhos, já foi casado mais de uma vez e trouxe o olhar de como o homem reagiria em determinadas situações”, explica ela, que além do reencontro dos protagonistas, investiu nas aventuras sentimentais de personagens mais jovens.

Enquanto a filha de Gabriel (Fernanda Vasconcellos) com a ex-mulher (Glória Pires) se apaixona ao mesmo tempo por um homem e por uma mulher (Renato Góes e Priscila Steinman), o filho adolescente de Luiza (Miguel Arraes) se arrisca na internet. Escondido no quarto, ele entra em salas de bate-papo e finge ser outra pessoa para conquistar quem está do outro lado da rede.

“Mesmo com o passar do tempo entre um filme e outro, as questões continuam sendo mais ou menos as mesmas para quem se apaixona. O que mudou muito foi o aparato que permite, aparentemente, as conexões e que, talvez, mascarem que as dificuldades sejam as mesmas”, diz Daniel Dantas, referindo-se ao avanço da internet. “As mídias sociais mascaram uma solidão. O amor líquido que se fala hoje — que você possui e abandona logo depois —, acho que eles (Luiza e Gabriel) viviam em uma época que não era tão diretamente envolvida com essa tecnologia de agora”, completa.

Se a superficialidade das mídias sociais atrapalha os amores de hoje, Andrea Beltrão acredita que a procura pelo par perfeito sempre existirá. “Não podemos generalizar que a juventude toda é assim. Conheço jovens que têm namoro firme e são felizes com sua vida monogâmica”, ressalta Andrea. “Quando a gente ama muito, se apaixona, acaba sofrendo. Não tem como fugir disso. Eu, Andrea, quero viver a vida apaixonada. Se for assim, não vou me arrepender”, afirma a atriz.

Últimas de Diversão