Jeffinho perde tudo e tenta se reerguer na nova temporada de 'Os Suburbanos'

'Ele faz muitas besteiras', diz Rodrigo Sant'Anna, que interpreta o personagem

Por O Dia

Rio - A repercussão nacional de Valéria Bandida, a personagem do antigo ‘Zorra Total’, da Globo, fez bem mais do que trazer os louros da fama para seu intérprete, Rodrigo Sant’Anna. “Tinha essa preocupação de ficar conhecido por um personagem só”, revela o ator, que mostra que estava enganado ao engatar a terceira temporada de ‘Os Suburbanos’, a partir de hoje, às 22h, no Multishow, com 10 episódios a mais que as duas edições anteriores e ainda se ver às voltas com um novo programa, ‘Tô de Graça’, que comandará no segundo semestre no mesmo canal.

Jeffinho perde tudo e tenta se reerguer na nova temporada de 'Os Suburbanos'Divulgação

“Devo muita coisa a Valéria. As pessoas me chamavam mais de Valéria do que de Rodrigo. Vivi dessa maneira durante muito tempo. Hoje, faço matéria e me chamam de Rodrigo, Carol (Paixão, personagem), Valéria e me perguntam quando vai voltar a temporada de ‘Os Suburbanos’. Isso tudo me deixa contente. Sou um cara agoniado e amo o meu trabalho”, derrete-se o ator. Quando perguntado se os personagens de humor têm prazo de validade, ele é enfático: “Acho que como tudo na vida, tudo tem prazo de validade. Mas se as pessoas não veem o personagem o ano inteiro, ele tem uma vida maior”, destaca.

PARTICIPAÇÕES ESPECIAIS
A relação com os seus papéis cativos e de apelo popular é tão grande que Sant’Anna resolveu homenageá-los na terceira temporada de ‘Os Suburbanos’. Valéria Bandida e Carol Paixão estarão presentes na produção. “Gosto de brincar de contracenar comigo mesmo. A Valéria é uma personagem que pedem muito nas ruas. Achei que seria uma brincadeira gostosa de ser feita. Fizemos os trâmites internos com a liberação dos personagens, deu tudo certo, e a gente mandou ver”, comemora.

QUARTA TEMPORADA
A nova edição da série de humor do Multishow terá 30 episódios — as duas primeiras foram de 20 episódios. “Foi uma demanda do canal, veio do resultado da demanda do público. É óbvio que ficamos felizes. Teremos mais tempo no ar e isso fideliza mais o público. Até temos uma ideia para uma quarta temporada, desde o fim da segunda. Mas vamos fazer um passo de cada vez. Estamos focados para que esta seja um sucesso como foram as outras duas”, diz Sant’Anna.

OUTROS DESTAQUES
Valesca Popozuda e Tati Quebra Barraco são alguns dos convidados. Mas engana-se quem pensa que elas participam como elas mesmas. “Elas interpretarão personagens. Essa coisa de não ser ator é legal. Sempre gostei de brincar com figuração. No caso delas, isso que é o legal de trabalhar com cantoras. Elas não são atrizes, então ficou uma forma natural. As duas representando as personagens de forma elegante e competente”, elogia.

QUEDA DA ESTRELA
Nessa temporada, Jefinho do Pagode (Rodrigo Sant’Anna) perde todo o dinheiro e vira uma ex-celebridade. Apesar da queda do padrão, ele continua morando na Barra da Tijuca, mas em uma casa bem mais simples do que a mansão a que estava acostumado. Quando Rodrigo é perguntado se a queda do poder aquisitivo do personagem tem a ver com o momento de crise enfrentado pelo país, o ator foi claro. “Tem a ver com as merdas que ele faz. Ele fez tantas besteiras, lei de causa e efeito. Ele constrói, dá errado e fica muito vulnerável. A gente vê isso com frequência no mundo artístico”, conta, aos risos.

DE VOLTA AO ESTRELATO
Jefinho faz das tripas coração para voltar ao bem bom. Mas sua falta de habilidade com administração não o ajuda muito. “Apesar de ser um mau administrador e até ser preso, a sorte é algo mais presente na vida dele do que as coisas de ruim que ele faz para ele mesmo. Mais, eu não conto”, desconversa ele sobre o personagem, que vai virar dono de clínica de estética, de site para crianças, de vans e até fazer transporte de cadáveres.

FAZER NOVELA
Aos 36 anos, o carioca que foi criado no Morro dos Macacos, em Vila Isabel, Zona Norte do Rio, conta que ainda tem muitos sonhos. “Adoraria fazer uma novela. Óbvio que gostaria que o personagem fosse de humor. Eu também aceitaria fazer um drama, mas atualmente preferiria mesmo é que o personagem fosse de humor, caso me chamassem para uma novela”, conta Sant’Anna. Ele já fez participações em produções como ‘América’, em 2005, e ‘Bang Bang’, em 2006, ambas na Globo.

Além disso, ele quer mais. “Tenho vontade de fazer um programa que não seja só de humor. Mas que tivesse uma levada bem-humorada, com certeza seria uma levada meio subúrbio, meio caótica, que tem a ver com a linguagem que eu faço. Que tivesse um quê de não ensaiado, que falasse ao vivo o que está acontecendo e que tivesse essa cara assumidamente espontânea”, torce. 

Últimas de Diversão