Blatter critica possibilidade de boicote às Copas do Mundo de 2018 e 2022

Presidente da Fifa está tendo que contornar crises por conta da escolha da Rússia e do Catar como sedes de Mundiais

Por O Dia

Áustria - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, rejeitou nesta terça-feira a possibilidade de um boicote às Copas do Mundo de 2018, na Rússia, e de 2022, no Catar, destacando que nunca este tipo de medida foi bem-sucedida.

LEIA MAIS: Platini é reeleito para o cargo de presidente da Uefa por aclamação

Ucrânia ameça boicote ao Mundial da Rússia. No Catar, ativistas dos Direitos Humanos denunciam casos de 'escravidão moderna' em obras locaisReuters

"Falando das duas competições, é fundamental que o futebol e o esporte se apresentem de maneira unida, pois isso nunca deu resultado algum", disse o dirigente, durante o Congresso da Uefa, que acontece em Viena, na Áustria.

Durante seu discurso, Blatter falou de maneira contrária as interferências políticas no esporte, cobrando que se mantenha a autonomia no esporte. A possibilidade de boicote mais recente, partiu da Ucrânia, que na figura do presidente, Petro Poroshenko, fez a sugestão a chanceler alemã Angela Merkel.

O mandatário acusa os separatistas pró-Rússia de violar os acordos mediados por Alemanha e França, que foram assinados em Minsk, em Belarus, no mês passado. Recentemente, o volante marfinente Yaya Touré, do Manchester City, sugeriu que os negros também ficassem fora do torneio em 2018, devido aos recorrentes casos de racismo no futebol russo.

Contra o Catar, existem propostas de boicote devido aos abusos trabalhistas cometidos contra operários que trabalham nas obras no país.

Últimas de Esporte