Seop interdita quatro estacionamentos irregulares no Centro e Copacabana

Cinco flanelinhas e um dono de estabelecimento que já havia sido autuado três vezes foram detidos

Por O Dia

Rio - Uma operação da Secretaria Especial de Ordem Pública (Seop) foi concluída com a interdição de quatro estacionamentos irregulares nesta quinta-feira no Centro e na Zona Sul do Rio. A ação recebeu o apoio da Defesa Civil, Cedae, RioLuz, Guarda Municipal e Polícia Militar. O proprietário do estacionamento na Rua Senador Pompeo, 104, foi detido e levado para a 4ª DP (Praça da República). O local já havia sido autuado três vezes somente este ano e ele foi acusado do crime de desobediência.

Os outros locais que tiveram a atividade interrompida ficam nos seguintes endereços: Rua Alexandre Mackenzie, 64; Rua Santa Clara, 87; e Praça da Cruz Vermelha. A fiscalização multou 38 veículos e rebocou 24 no Centro, Tijuca e na Zona Sul. Além disso, foram apreendidos por guardas municipais 156 cones e uma corrente que eram utilizados para reservar vagas.

Fiscalização da Seop fechou quatro estacionamentos irregulares no Centro e na Zona Sul Divulgação

Em ação coordenada, agentes da Seop também detiveram 12 flanelinhas que atuavam na Avenida Graça Aranha, na Rua Laura de Araújo, no Largo da Misericórdia, no Rio Comprido e no Estácio. Eles foram levados para a 6ª DP (Cidade Nova). De acordo com o subsecretário de Integração e Controle Urbano, Marcelo Maywald, esta atividade acaba incentivando os motoristas a parar em locais proibidos pela Prefeitura. Ainda segundo ele, as ações são contínuas e desde 2013 foram 39 estacionamentos interditados.

"Nosso combate não é apenas aos estacionamentos que funcionam em área privada sem licença, também estamos combatendo estacionamento irregular em área pública e prendendo flanelinhas em apoio à Polícia Militar. Também estamos fazendo a apreensão daqueles cones que demarcam espaços em área pública, uma coisa que incomoda muito o carioca. E com relação ao flanelinha, além daquele responsável pela extorsão propriamente dita, estamos em cima do guardador da Rio Rotativo que às vezes não coloca o tíquete e cobra um valor mais alto do que o estipulado (R$ 2)", detalhou.

Apesar de apoiar a ação da secretaria, muitos cariocas criticam a falta de espaço para estacionar e os altos preços encontrados. "Tinha 3 anos que eu estacionava aqui. É difícil encontrar estacionamentos aqui em Copacabana, a prefeitura não deixa a gente parar em lugar nenhum", queixava-se Onesimo Costa, 76 anos, ao sair do estacionamento Santa Vaga com a sua motocicleta.

Agentes da Secretaria Municipal de Ordem Pública interdia quatro estacionamentos clandestinosFoto%3A Cacau Fernandes / Agência O Dia

Estacionamento e obra dividem espaço

Na Rua Santa Clara, uma obra inacabada abrigava um estacionamento com uma tabela de preços bem "salgada". A cobrança da diária de um carro de passeio no local era de R$ 50. O manobrista Denis Barbosa, de 60 anos, trabalhava no Santa Vaga há 5 anos. Ele afirmou que não sabia sobre problemas com o alvará de funcionamento do local, já que existe um papel afixado na parece do prédio que provaria a legalidade do negócio. No entanto, esse documento é de 2008 e foi anulado, segundo a Seop.

"A gente ficou muito surpreso. Tudo aqui é organizado, toda a equipe de manobristas (quatro funcionários) tem a carteira de trabalho assinada", contou Barbosa.

A empresária Monique Reis foi surpreendida no momento em que se encaminhava para pagar a taxa do local. "É a primeira vez que paro o carro aqui, mas geralmente aqui em Copacabana existe a dificuldade de conseguir vaga, só que costumo vir de táxi. Eu realmente não sabia dessa irregularidade, esse lugar é bem antigo. Acho que essas ações têm mesmo que ser feitas, mas lamento pela falta de estacionamento na cidade", disse.


Últimas de Rio De Janeiro