Rio de Janeiro desperdiça 37% de água tratada

Pesquisa da ONU informa que cidade desperdiça o equivalente a países como Rússia, China, Índia e África do Sul

Por O Dia

Rio - Estudo das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos, em estudo divulgado à véspera do Dia Mundial da Água, celebrado neste domingo, atesta que no Brasil cerca de 40% da água tratada se perde antes de chegar ao consumidor final, já que vaza por encanamentos deteriorados.

No Rio de Janeiro, uma das mais desenvolvidas capitais do país que deve puxar o crescimeto populacional, junto de países como Rússia, China e Índia e África do Sul, estima-se que o desperdício alcance 37% do volume tratado.

Estouro de tubulação em Botafogo%2C dia 11%3A Cedae levou duas horas e meia para chegar%2C segundo moradoresOsvaldo Praddo / Agência O Dia

O aumento estimado de 44% da população mundial nos próximos 35 anos e a crescente migração do campo para a cidade grande farão com que a demanda hídrica global cresça em 55% até o ano 2050. O estudo joga luz ainda em outro dado alarmante: atualmente, 748 milhões de pessoas vivem sem acesso à água potável.

O estudo sugere ainda o desenvolvimento de outras formas de captação de energia, como a eólica e solar. O consumo de alimentos em países em franco desenvolvimento, como o Brasil, pode subir até 100%. Para a América Latina, de forma geral, o texto recomenda “promover a integração sustentável desses recursos para o desenvolvimento sócioeconômico e redução da pobreza”.

Em relação ao saneamento básico (deficitário para mais de 1 bilhão de pessoas), a projeção para a época em que a população da Terra deve alcançar 9,1 bilhões de pessoas não é das melhores. “Percursos de desenvolvimento insustentável têm afetado a qualidade e disponibilidade dos recursos hídricos”, completa.

Alagamento causa danos

Em tempos de conscientização, o desperdício a céu aberto. Estouro de uma tubulação de água da Cedae no entroncamento das ruas Mundo Novo, Marquês de Olinda e Assunção, em Botafogo, na Zona Sul, provocou o alagamento de duas vias na madrugada de ontem. Um trecho da via foi interditado, já que havia risco de afundamento do asfalto.

De acordo com o segurança de um edifício, o estouro ocorreu por volta das 2h. Com a pressão da água, trechos do asfalto romperam. Somente às 4h30, a primeira equipe da Cedae chegou ao local.

“Há dois anos ocorreu um nesse mesmo ponto e com desperdício de água até maior do que este”, disse o comerciante Antônio Gomes Dias. De acordo com o Centro de Operações, técnicos da Cedae estão no local. A Rua Marquês de Olinda está interditada entre as ruas Bambina e Assunção. Agentes da CET-Rio e da Guarda Municipal orientam os motoristas.

Últimas de Rio De Janeiro