Falta de medicamentos aumenta o sofrimento de famílias e 70 mil pacientes

Sem remédios na Farmácia Estadual de Medicamentos Especiais, alguns correm até risco de vida

Por O Dia

Rio - Com o pagamento do estado atrasado por causa da crise financeira, a pensionista Ângela Maria Braga, 56 anos, fez um ‘bico’ terça-feira passada, na Zona Sul. Saiu de lá depressa para chegar no horário marcado à Farmácia Estadual de Medicamentos Especiais, a Rio Farmes, na Cidade Nova, onde busca remédio sem custo para o filho, doente renal crônico. Depois de meia hora na fila, ela se desesperou ao saber que a medicação está em falta. “Meu filho tem 23 anos e faz hemodiálise. O que acontece se ficar sem o remédio? Ele morre, né?”, desabafou.

O filho de Ângela é um entre milhares de portadores de doenças crônicas e raras do Rio que estão sendo prejudicados pela falta de remédios diversos no centro de distribuição do governo. Existem pacientes com outras doenças graves enfrentando o problema há pelo menos seis meses. Para a maioria, ter ou não a medicação é caso de vida ou morte. Cerca de 70 mil pessoas dependem desse serviço.

Pensionista com o pagamento atrasado%2C Ângela se desesperou sem o remédio do filhoAlexandre Brum / Agência O Dia

A pensionista terá de se endividar para comprar o Alfaepoetina injetável, utilizado no tratamento de anemia causada por insuficiência renal. O jovem precisa de oito doses por mês e cada caixa custa R$ 50 nas farmácias comuns. A Rio Farmes entrega mensalmente os medicamentos aos doentes.

Em meio a crises de falta de ar, o aposentado Luiz Garcia de Lima, 82, que tem insuficiência respiratória, vai à unidade da Rio Farmes em Duque de Caxias e, desde novembro, volta para casa sem o composto de Formoterol e Budesonida. Na última terça, o idoso resolveu ir à Cidade Nova para checar se lá tinha o remédio, que evita as crises. Foi à toa.

“Quando agrava a crise, vou ao posto de saúde, tomo injeção, faço nebulização. Vou levando assim”. O medicamento não está em falta nas farmácias privadas, mas as 60 doses necessárias por mês custam R$ 124 e o cartão dele estourou.

A crise na Rio Farmes vem à tona um mês depois de o governo do Rio ter queimado 300 toneladas de medicamentos e insumos hospitalares vencidos, encontradas, em fevereiro, na Central Geral de Abastecimento da Secretaria Estadual de Saúde, em Niterói. Desde o ano passado, 1.000 toneladas foram inutilizadas pelo mesmo motivo. A Comissão de Orçamento, Fiscalização e Controle da Assembleia Legislativa do Rio apontou que o estado gastou quase R$ 3 milhões para incinerar todo o material.

'Às vezes%2C marcam data para ir buscar o remédio e%2C quando chegamos lá%2C dizem que acabou. Nunca dão previsão'%2C Erly Almeida%2C 66 anos%2C tem Hipertensão PulmonarAlexandre Brum / Agência O Dia

Pacientes relataram ainda que estão em falta, na Rio Farmes, remédios para esquizofrenia, retocolite ulcerativa, lúpus e hipertensão arterial pulmonar (HAP). Portadora de HAP, a aposentada Erly Almeida, 66 anos, não recebe seu vasodilatador desde fevereiro. “Nunca dão previsão”, afirma. As filhas ajudam a comprar o medicamento, que custa R$ 500 por mês. 

Pacientes usam redes sociais para pedir doações

Portadora de lúpus, a moradora de Nova Iguaçu Marcelle Fassini, 32 anos, conseguiu pegar o Hidroxicloroquina pela última vez em novembro na Rio Farmes. O remédio evita crises da doença, que causa inflamações em vários órgãos. Desempregada, ela não tem condições de custear o tratamento.
“Quando consigo comprar, tomo metade do comprimido para uma caixa durar dois meses”, diz Marcelle. Sem a medicação, ela fica debilitada, com dores no corpo e acamada.

Marcelle viu em grupos de pacientes com lúpus no Facebook a saída para obter seu medicamento. Pessoas que têm remédios sobrando em outro estados fazem doações pela internet. Há regras no grupo: é proibido cobrar para enviar os fármacos e é necessário postar foto da receita médica dentro da validade.
Presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio (Cremerj), Pablo Vazquez vê a prática com bons olhos, desde que sem fins comerciais, mas diz que os prazos de validade devem ser observados. Ele se preocupa com a situação da Rio Farmes: “Essa situação é lamentável, porque a descontinuidade do medicamento agrava a saúde das pessoas.”

Estado não adota medidas emergenciais para os casos

A Secretaria Estadual de Saúde informou que o pregão eletrônico para compra de Sildenafil 20 mg, para hipertensão arterial pulmonar, fracassou devido aos valores ofertados estarem acima do estimado. O processo passará por nova licitação em breve, mas não foi informada previsão.

Sobre o Alfaepoetina 4.000 UI, para doentes renais, a secretaria esclareceu que ele estará disponível na próxima semana. Já o Formoterol 12 mcg + Budesonida 400 mg, para insuficiência respiratória, está em fase final de aquisição. A Hidroxicloroquina 400 mg, para lúpus, tem previsão de entrega para os próximos dias.

A causa da escassez desses três remédios não foi esclarecida, nem a quantidade total de pessoas afetadas. O Mesalazina 400 mg, para problemas intestinais, está em falta pela mesma razão do Alfaepoetina. Segundo a pasta, o Olanzapina 10 mg, para esquizofrenia, chegou quarta-feira na Rio Farmes Praça 15. Pessoas atingidas pelo problema muitas vezes recorrem ao núcleo da Defensoria Pública com o laudo e prescrição médica. Medidas judiciais podem ser adotadas. Informações pelo telefone 129.

Últimas de Rio De Janeiro