Mais Lidas

Policiais civis vendiam informações para traficantes em troca de propina

Agentes recebiam entre R$ 1.500 e R$ 11 mil por semana de várias comunidades do Rio

Por rodrigo.sampaio

Rio - A Polícia Civil deflagrou na manhã desta segunda-feira a segunda fase da Operação Network, na qual investiga a venda de informações sigilosas por policiais civis à traficantes da Cidade de Deus, Vila Aliança, Cidade Alta e todo o Complexo da Maré. Segundo a investigação, os pagamentos variavam entre R$ 1.500 a R$ 11 mil semanais. De acordo com a polícia, 10 mandados de prisão estão sendo cumpridos e, até o momento, cinco pessoas ligadas ao esquema já foram presas, acusadas de lavagem de dinheiro. 

Em entrevista coletiva na manhã desta segunda%2C Polícia Civil divulgou balanço da segunda fase da Operação NetworkMaíra Coelho / Agência O Dia

Segundo a corregedoria da Polícia Civil, os policiais Renato Ville Cardoso e Carlos Augusto Farnochi informavam membros de facções criminosas, em especial ao Terceiro Comando, onde seriam realizadas operações da Delegacia de Combate à Droga (Decod). Ambos estão foragidos.

Delegado assistente da Decod, Vinícius Domingo destacou a eficácia do esquema: "É a maior rede de informações já desbaratada no Rio de Janeiro. Essa era uma estrutura muito sofisticada. Eles sabiam das operações e passavam as informações rapidamente para os traficantes daquela localidade. Isso além de evitar prisões e apreensões colocava em risco a vida dos policiais civis. Os bandidos ao invés de fugirem atacavam os policiais com material bélico", disse.

Diretor do Departamento Geral de Polícia Especializada, Marcelo Martins enfatizou que o trabalho para prender os criminosos e desfazer o esquema continuará sendo feito: "Doa a quem doer, vamos cortar na carne viva. Vai ser investigado, identificado e entregue à Justiça. Pessoas que agem assim são marginais com distintivo. O trabalho será feito", afirmou. 

Fabio Fernandes Vila Real (E)%2C conhecido como Parrudo e o policial civil Carlos Augusto Farnochi%2C que está foragido Reprodução

Atualmente, Carlos estava lotado na Delegacia de Atendimento ao Idoso e Terceira Idade (Deapti). Já Renato trabalhava na 16ª DP (Barra da Tijuca). "É triste e preocupante quando isso acontece", disse o delegado assistente da DCOD, Vinicius Domingos.

A ação realizada nesta manhã é um desdobramento de uma operação contra o tráfico de drogas que prendeu o traficante Gilson Ramos da Silva, o Aritana, em janeiro deste ano. Através de depoimentos, o bandido revelou o esquema para a polícia, que abriu investigação e constatou o envolvimento de policiais civis no caso. 

Carlos Augusto Farnochi (à esq.%2C de boné branco) e Renato Ville Cardoso (à dir.) estão foragidos.Reprodução Internet

No mês passado, a DCOD fez uma operação e foram presos os traficante Fabio Fernandes Vila Real, conhecido como Parrudo e o dono da loja TH Joias e Thiego Raimundo dos Santos Silva. Os dois, segundo as investigações, são o "braço financeiro" da facção criminosa Terceiro Comando Puro (TCP).

À época, a especializada cumpriu cinco mandados de prisão temporária e 34 de busca e apreensão em vários bairros da cidade, apreendendo veículos de luxo — incluindo um carro de luxo avaliado em R$ 500 mil — joias, dinheiro, celulares, computadores e documentos. A Justiça também determinou o sequestro de dois imóveis e o bloqueio de contas bancárias. Os valores arrecadados com as apreensões totalizam cerca de R$ 5 milhões.

A Polícia Civil solicitou junto ao Ministério Público que o dinheiro retorne ao Estado para ajudar os serviços das delegacias especializadas.

Reportagem do estagiário Rafael Nascimento, sob supervisão de Cadu Bruno

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia