Mais de 10 mil pessoas foram vítimas de estelionato este ano

Apesar de conhecidos, estelionatários agem quase todo dia e enganam as pessoas

Por O Dia

Rio - Nos primeiros cinco meses deste ano, o crime de estelionato já possui 10.115 registros na Polícia Civil. O número é quase o total dos casos de 2003 — estatística mais antiga disponível no site do Instituto de Segurança Pública. Naquele ano houve 10. 715 casos. Os golpes, embora conhecidos, continuam lesando a população: pagamento por falso sequestro, roubo de senha de cartões, comprovante de depósito de banco com envelope vazio são a maioria dos casos.

Fã comprou ingresso falso para o show de Ariana Grande no dia 29 de junho. Foi barrada na roleta e descobriu que outras 19 pessoas passaram pela mesma decepção que elaMaíra Coelho / Agência O Dia

Em Bonsucesso, por exemplo, há um inquérito que já identificou um homem que pediu dinheiro a quatro pessoas em troca de antecipação na senha em programas habitacional. “Ele pede uma quantia em dinheiro para a pessoa passar na frente de outras no recebimento de casas. Após receber o dinheiro, some”, disse o delegado Wellington Vieira. “Não acredite em facilidades, vantagens desmentidas. Você está prestes a cair em um golpe”, aconselha.

O aumento do número de crimes de estelionato pela internet aumentou tanto que fez a DRCI (Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática) criar uma resolução para redirecionar as vítimas a outras delegacias. “Estamos concentrando só os crimes mais complexos”, afirma Fernanda Fernandes, delegada da DRCI.

Foi o caso de uma fã que pediu para não ser identificada. No último dia 29 ela comprou dois ingressos falsos para o show da Ariana Grande, realizado na HSBC Arena. “Uma menina avisou no Facebook que tinha duas meias. Continuamos a conversa atráves de Whatsapp. Ela disse que o namorado iria me entregar os dois ingressos no Centro do Rio. Encontrei com ele na Uruguaiana e dei R$ 670 pelos tickets”, contou.

Ao chegar no dia do show, a cliente não conseguiu passar pela roleta. “Um funcionário me disse que cerca de outras 20 pessoas estavam com o mesmo ingresso que tinha o mesmo nome ‘Tainá’ e CPF digitados. Depois, eu acabei sabendo que o CPF era falso. A mesma pessoa vendeu para várias”, disse. Ao procurar a DRCI, a vítima foi orientada a ir para uma delegacia de bairro.

“Quando o depósito exigido é online, percebemos que as contas são de outros estados, o que nos impossibilita de continuar o inquérito”, diz Fernanda Fernandes. Segundo a delegada, na DRCI o crime de estelionato representa, junto com os crimes contra a honra, 70% dos registros. “Temos cerca de 4 mil inquéritos em andamento. A cada dez pessoas que procuram a DRCI, quatro foram vítimas de golpes”, afirma a delegada.

PRINCIPAIS GOLPES ATUALMENTE

1. Golpe ‘Benção tia ou vó’
Se passando por sobrinho ou parente, o criminoso liga e diz que o carro está quebrado, necessitando de dinheiro para o guincho. A vítima realiza o depósito e perde o dinheiro.

2. Envelope Vazio
O criminoso faz o depósito em um envelope vazio no banco e envia para a pessoa o comprovante como se fosse um pagamento. Sem conferir, a vítima entrega a encomenda.

3. Créditos celular
É também comum a prática de presidiários: o criminoso envia uma mensagem de texto dizendo que a pessoa acabou de ganhar um prêmio. Porém, deve fazer antes uma recarga de celular para ter acesso ao que acaba de ganhar. A tática do falso sequestro também é usada para recarga de créditos de telefone. Constantemente há vítimas.

4. Falso sequestro
Golpe antigo, mas tratado como extorsão e não estelionato. O autor do golpe liga aleatoriamente para telefones de vítimas e diz que está com o filho/a e exige dinheiro para o resgate.

5. Facilitador de programas de casa habitacionais do governo
Golpista pede uma quantia em dinheiro para a pessoa passar a frente de outras no recebimento de casas de programas habitacionais.

6. Compra e venda
Objetos são vendidos em sites de anúncios. Após o dinheiro ser depositado, não há a entrega.

7. Pecúlio
A vítima recebe uma carta de uma vara cível com a notícia que tem um valor alto a receber como pecúlio. No entanto, deve pagar antes as custa do processo. A pessoas paga e perde.

8. Bilhete premiado
Golpe antigo, mas ainda realizado. O criminoso faz um jogo na lotérica com números de uma sequência já sorteada. O esteleonatário, então, aborda uma pessoa e diz que está com a ficha suja, o que o impede de sacar o dinheiro. Ele propõe, então, que a pessoa lhe entregue uma quantia em troca do bilhete vencedor. 

Últimas de Rio De Janeiro